Do laboratório para o campo: como produzir nos solos da Amazônia?

plantio-uatuma-solos

Por Larissa Mahall
Foto: Eduardo Zappia

Um dos objetivos da assistência técnica realizada pelo Idesam é promover uma “transição agroecológica” com os produtores rurais atendidos. Os agrotóxicos e produtos químicos, que já foram protagonistas na correção de solos e controle de pragas, vêm sendo trocados por técnicas naturais, que usam diferentes espécies de plantas – e a interação entre elas – para o enriquecimento das áreas de plantio.

A análise laboratorial dos solos é um dos recursos utilizados para indicar aos agricultores as melhores técnicas para melhorar a produção de suas áreas. O Idesam conversou com o pesquisador e engenheiro agrônomo Ramom Morato e com o técnico agroflorestal Caio Cunha sobre o tema.

Idesam: Qual a importância da análise de solo para as ações do Idesam?

Ramom: A análise de solo é uma oportunidade de fazer a transição agroecológica. A baixa produção característica dos solos amazônicos está diretamente relacionada com a retirada predatória da mata e da matéria orgânica, o que enfraquece o solo e permite o surgimento de enfermidades. A análise funciona como uma fotografia da área à luz da agroecologia, e a partir dela podemos implementar melhorias efetivas.

Caio: A análise de solo é fundamental para o agricultor, pois proporciona um laudo completo das características físico-químicas e morfológicas do solo.

Idesam: Como essas ações estão sendo realizadas no Projeto ATES?

Caio: No primeiro momento, a equipe do Idesam realiza, junto aos assentados, demonstrações teóricas e práticas de técnicas simples que o agricultor possa identificar superficialmente as características morfológicas do solo, plantas indicadoras de acidez do solo e deficiência nutricional foliar nas suas plantações, por exemplo.

Após as atividades teóricas e práticas, são realizadas visitas técnicas individuais para a coleta do solo nas propriedades dos participantes do curso. Somente no PDS (Projeto de Desenvolvimento Sustentável) Cuieiras Anavilhanas, foram coletadas 27 amostras do material. Após o envio para laboratório, os resultados são compartilhados com os produtores, junto com as indicações técnicas.

Idesam: De que forma essa ação possibilita melhorias na produção?

Ramom: Ao interpretarmos as análises de solos, conseguimos fazer as recomendações adequadas em função das culturas que estão sendo plantadas. Também a partir das análises, é possível orientar os assentados a buscar acesso a financiamentos do Plano Safra, por exemplo, para uso de maquinário e calcário.

Outro destaque é que as visitas de interpretação também são oportunidades para disseminar importantes conceitos agroecológicos de matéria orgânica, cobertura de solo, biodiversidade, entre outros.

Projeto ATES – A ação integra a agenda de trabalho do Idesam no Programa de Assessoria Técnica, Social e Ambiental à Reforma Agrária (ATES), desenvolvido pelo Incra. As atividades de assistência técnica realizadas pelo Idesam estão divididas em dois lotes (como são chamados os conjuntos de assentamentos definidos pelo Incra durante chamada pública). O lote 01 comporta assentamentos em Apuí, Novo Aripuanã e Manicoré, enquanto o lote 11 é formado por áreas em Manaus e Presidente Figueiredo.

Posts relacionados

Deixe um comentário