(Português do Brasil) Boletim divulga desmatamento recorde em corredor indígena

desmatamento-tupi-monde

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Já está disponível, na biblioteca virtual do Idesam, a primeira edição do Boletim do Desmatamento do Corredor Tupi-Mondé (RO/MT). De periodicidade semestral, o informativo analisa dados coletados entre janeiro e julho de 2017, através do aplicativo Global Forest Watch (GFW), concebido pelo World Resources Institute (WRI) para o monitoramento de florestas e emissão de alertas diante de ameaças importantes.

A ferramenta funciona em todo o mundo e, no Brasil, tem permitido acompanhar o desmatamento em uma área de grande pressão, situada entre Rondônia e Mato Grosso. Imagens de satélite, dados abertos e informações fornecidas pela população local permitem mapear onde o desmate acontece na região, suas causas e agentes.

>> Faça o download do boletim neste link.

Conforme Pedro Soares, gerente do Programa Mudanças Climáticas do Idesam, a primeira etapa do mapeamento é feita com base em imagens dos satélites LandSat e Sentinel, disponibilizados pela Agência Espacial Europeia (ESA).

“Em seguida, validamos essas informações com as lideranças indígenas locais, que ainda ajudam a identificar os agentes [causadores] e os vetores [motivos] do desmatamento. O ganho dessa metodologia é a precisão conferida pelo olhar de quem está no local”, explica o pesquisador.

O trabalho de acompanhamento do Corredor Indígena Tupi-Mondé é realizado pelo Idesam juntamente com Ecam — Equipe de Conservação da Amazônia, Gamebey — Associação Metaleirá do Povo Indígena Suruí e Kanindé — Associação de Defesa Etnoambiental.

 

Atividades ilegais e fiscalização

Entre janeiro e julho de 2017 — período compreendido na primeira etapa do estudo —, a região perdeu cerca de 1.200 hectares de floresta, o equivalente a mais de 1.700 campos de futebol. A destruição segue um ciclo já bem estabelecido.

“Primeiro, vem o corte ilegal de madeira e as atividades mineradoras de ouro ou diamante, que são de grande liquidez. O dinheiro arrecadado subsidia, mais tarde, atividades de pecuária e agricultura. Em alguns territórios, os indígenas participam, às vezes, como mão de obra, como no caso da mineração”, afirma Soares.

O Corredor Tupi-Mondé possui uma área total de 3,5 milhões de hectares, divididos em sete Territórios Indígenas, com 6 mil habitantes das etnias Cinta Larga, Zoró, Paiter-Surui, Gavião e Arara. Ele está situado no meio do arco do desmatamento da Amazônia e integra um importante corredor florestal de grande biodiversidade.

Para Soares, o ciclo de perda de floresta é alimentado também pela ausência crônica de fiscalização por parte dos órgãos responsáveis.

Related Posts

Leave a comment