O esforço para reduzir emissões da aviação

vista-aerea-apui-samuel-simoes-neto

Publicado em 19/02/2018 no Valor Econômico.

 

Pense: um avião comercial decola em São Paulo e aterrissa em Londres. Para cumprir o trajeto, queima combustível fóssil, produzindo emissões que, idealmente, precisam ser compensadas. Mas por quem e de que maneira? O fato é que as emissões dos voos comerciais internacionais não estão territorialmente vinculadas – ou seja, no caso do exemplo, não constituem ônus climático nem para o Brasil nem para a Inglaterra. Sua compensação cabe às próprias companhias aéreas, que respondem hoje por 2% das emissões mundiais, suficientes para colocar o setor no mesmo patamar de emissões das dez economias mundiais maiores geradoras…

 

Leia aqui a íntegra do texto publicado.

 

Posts relacionados

Deixe um comentário