Programa Carbono Neutro plantará 10 mil árvores na RDS do Uatumã

destaque-carbono-neutro

Por Izamir Barbosa e Samuel Simões Neto

Com a meta de plantar quase 10 mil mudas de árvores nativas, uma equipe de pesquisadores e técnicos do Idesam embarcou, no último dia 8 de Janeiro, para a Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, onde desde 2010 são implementados os sistemas agroflorestais do Programa Carbono Neutro.

Além do plantio, o programa está capacitando todos os comunitários envolvidos nos sistemas já implementados, a fim de construir de forma participativa a estratégia de plantio para 2016.

O ano de 2015 foi marcado por neutralizações inovadoras, que geraram, inclusive, a criação de dois novos selos para o Programa Carbono Neutro (PCN): Taxi CO2 Neutro e Food Truck CO2 Neutro. Respectivamente, as empresas 99 Táxis e Black’n Load foram as pioneiras em suas correspondentes áreas de atuação, abrindo um leque de oportunidades em seus negócios.

A parceria com o jornal impresso Amazonas Em Tempo também foi uma das inovações do ano de 2015. Com o plantio de 183 árvores nativas na RDS do Uatumã, a edição comemorativa de 28 anos do jornal foi neutralizada, se tornando a primeira tiragem “CO2 Neutro” de um jornal impresso no Brasil.

No total, foram 13 clientes neutralizados, conectados com a Amazônia e envolvidos com as estratégias socioambientais e econômicas. “A essência do Programa Carbono Neutro é proporcionar, via certificação e plantio de árvores, uma conexão direta entre os clientes do Brasil e a Amazônia” afirma Flávio Cremonesi, gerente do Programa Carbono Neutro Idesam.

A primeira etapa é nivelar o conhecimento dos agricultores e dos produtores sobre os sistemas agroflorestais (SAF), suas técnicas e características. Para isso, foi realizada, nos dias 9 e 10 de janeiro, uma capacitação envolvendo todos os comunitários que já são parceiros do projeto e receberam os SAFs em suas propriedades.

“Vemos a agrofloresta como uma forma de desenvolvimento adequado para a nossa região e para o Brasil, tanto na segurança alimentar, quanto na geração de renda. Queremos que a RDS do Uatumã seja um dos polos de referência agroflorestais, pois ela já se destaca na tecnologia de baixo carbono no estado”, afirma o pesquisador associado do PCN, Ramom Morato.

Posts relacionados

Deixe um comentário