Representantes da sociedade civil debatem manejo florestal com Izabella Teixeira

reuniao-mma-manejo-florestal-Foto-Paulo-Araujo

Por Letícia Verdi, do MMA
Edição de Marco Moreira (MMA)

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, recebeu, na tarde desta terça-feira (24/02), em Brasília, representantes da sociedade civil para debater questões ambientais relativas à restauração e conservação da Mata Atlântica e ao manejo florestal comunitário na Amazônia. As organizações não governamentais (ONGs) apresentaram à ministra a Carta de Iperó e a Carta de Brasília e receberam garantias sobre o acompanhamento das demandas no ministério.

A Carta de Iperó foi entregue pela Rede de ONGs da Mata Atlântica, coletivo formado por 285 organizações da sociedade civil que atuam a favor do bioma. O documento apresenta uma série de metas que enfocam a importância dos serviços ecossistêmicos prestados pela floresta para a economia e a sociedade.

Os três principais pontos levantados pela Carta de Iperó são: selecionar regiões prioritárias para conservação dos remanescentes de vegetação e para estabelecimento de novas Unidades de Conservação; efetuar ações intensivas para restauração da Mata Atlântica, até atingir uma área de 30% de sua extensão geográfica original e fortalecer programas de desenvolvimento sustentável em escala regional e local.

CARTA DE BRASÍLIA

Já um grupo de ONGs da Amazônia, liderado pelo Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), apresentou a Carta de Brasília, solicitando ao governo que retome o Programa Federal de Manejo Florestal Comunitário e Familiar, instituído pelo Decerto 6874/2009. Entre as demandas está o lançamento de editais do Fundo Amazônia específicos para Manejo Florestal Comunitário e de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) para capacitação, fortalecimento institucional e comercialização dos produtos. Os beneficiários do programa são agricultores familiares, assentados da reforma agrária e povos e comunidades tradicionais.

Participaram do primeiro encontro representantes da Rede de Organizações Não Governamentais da Mata Atlântica, Grupo Ambientalista da Bahia, WWF, Instituto Socioambiental e Instituto Floresta Viva. Já o segundo, contou com a participação do Centro de Trabalhadores da Amazônia, Instituto de Pesquisa da Amazônia, Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, Conselho Nacional das Populações Extrativistas, Grupo de Trabalho da Amazônia, Instituto Internacional de Educação do Brasil.

Texto original: http://www.mma.gov.br/index.php/comunicacao/agencia-informma?view=blog&id=745

Posts relacionados

Deixe um comentário