COP 18 começa em Doha

Leitores do blog Em Campo com o Idesam, já estamos em Doha, capital do Qatar e sede da 18ª Conferência das Nações Unidas para o Clima (COP 18). Em nome do GCF, estaremos relatando alguns dos destaques da COP, com um foco especial nas questões de REDD+ (Redução de Emissões do Desmatamento e Degradação Ambiental).
Hoje [segunda-feira, dia 26] aconteceu a cerimônia de  abertura que inicia oficialmente a COP 18. A presidência do evento foi entregue ao primeiro ministro do país, Al-Attiyah. Em seu discurso, o governante destacou o compromisso em alcançar os melhores resultados possíveis durante as próximas duas semanas. “As mudanças climáticas são um desafio comum a todos”, destacou, classificando o evento como uma oportunidade de ouro: “Devemos fazer o melhor uso dela”, completou.


Dentre os principais temas que teremos por aqui, alguns são:
  • A necessidade de progresso rumo a um acordo universal que será discutido pelo grupo de trabalho Ad Hoc Working Group on the Durban Platform for Enhanced Action (ADP), criado durante a COP 17, em Durban, para desenvolver um protocolo, instrumento legal ou um resultado com força legal, aplicável a todas as partes. O ADP tem o propósito de concluir esse trabalho o mais cedo possível, mas não depois de 2015, para que possa ser implementado até 2020.
  • A possibilidade de renovação de compromissos no âmbito do Protocolo de Quioto – . Alguns especulam que o Protocolo de Quioto teve sua força diminuída, mas permanece entre as principais prioridades para os países em desenvolvimento, como Brasil e China, para que o progresso seja possível. Uma das discussões é o período de duração, se até 2017 ou 2020
  • Acelerar a provisão de apoio técnico e financeiro para nações em desenvolvimento através de estratégias como o incentivo ao pleno funcionamento de mecanismos tecnológicos e do Fundo Verde do Clima.
  • A conclusão dos trabalhos do Grupo de Trabalho Ad hoc Working Group on Further Commitments for Annex I Parties under the Kyoto Protocol (AWG-KP) – criado para discutir os futuros compromissos para os países industrializados no âmbito do Protocolo de Quioto – e do Grupo de Trabalho Ad hoc Working Group on Long Term Cooperative Action (AWG-LCA) – criado para realizar um processo abrangente que possibilite a implementação da Convenção por meio de ação de longo prazo de cooperação –, a fim de iniciar os trabalhos no ADP.

No que diz respeito a REDD+, um dos negociadores indicou, durante uma breve conversa, que há uma enorme quantidade de trabalho para os próximos 14 dias, incluindo o Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico e Tecnológico (SBSTA) e os textos do Grupo de Trabalho Ad hoc Working Group on Long-term Cooperative Action (AWG-LCA), que ainda têm vários pontos a serem resolvidos.


Para mais detalhes sobre o REDD+ na COP confira a análise do Fundo de Defesa Ambiental: REDD+ almost at the finish line: Doha preview.

Mariana Pavan,
Pesquisadora do Programa de Mudanças Climáticas do Idesam

Related Posts

Leave a comment