Idesam divulga ‘Ambiciômetro’ e compara metas de carbono para 2030

ambiciometro

Ferramenta extraiu dados sobre emissão de Gases de Efeito Estufa e comparou valores com a ambição e compromisso dos países para meta de aquecimento global

Por Larissa Mahall, com informações do Observatório do Clima

O Idesam desenvolveu ferramenta que reúne as INDCs (Contribuições Nacionalmente Determinadas Pretendidas) apresentadas por 29 países, até o momento, para a COP21, somando 14,9 bilhões de toneladas de gás carbônico em 2030. A ferramenta chama-se ‘Ambiciômetro’ e faz comparativo do desempenho dos países em relação a meta de evitar o limite máximo de 20C da temperatura global, até o fim do século.

Para realizar o cálculo, os pesquisadores do Programa Mudanças Climáticas do Idesam, Mariano Cenamo e Pedro Soares, reuniram as informações da INDCs apresentadas à Convenção do Clima e organizou os dados comuns em relação de quanto seria a redução em toneladas de CO2 equivalente implicada em cada número.

Em entrevista ao portal do OC, Mariano Cenamo, pesquisador-sênior do Idesam destacou o nível de ambição dos países.

“Nossa preocupação ao iniciar esse cálculo foi ver que estamos a poucos meses da COP21 e não temos nem mesmo uma métrica unificada para monitorar as INDCs. De posse de um parâmetro de comparação, podemos enfim ver o nível agregado de ambição. Ele precisa melhorar muito”, disse.

>> Veja nesse link o infográfico construído com as metas, o “ambiciômetro”.

Se as metas forem adotadas, Estados Unidos, União Europeia e Rússia, por exemplo, deverão reduzir suas emissões até o ano de 2030 em, respectivamente, 28%, 40% e 30%. Países que emitem menos carbono, no entanto, comprometeram-se com metas bem mais ambiciosas, é caso da Etiópia (64%), Gabão (50%) e Austrália (28%).

Até 1º de outubro de 2015, os 196 países-membros da Convenção do Clima da ONU precisam apresentar a contribuição para redução das Mudanças Climáticas. O Brasil ainda não divulgou seus dados.

Em carta aberta veiculada hoje (14), ONGs divulgaram documento com sugestões para o Brasil ter desmatamento zero, em resposta aos problemas mundiais de Mudanças Climáticas, são elas: Aumento da produção agrícola sem desmate; aumento da eficácia da fiscalização; estabelecimento de novas áreas protegidas; ampliação e consolidação dos compromissos privados e públicos pelo desmatamento zero; uso da tributação para estímulo à conservação; incentivos financeiros para conservação.

A ferramenta desenvolvida pelo Idesam, com apoio do Observatório do Clima, teve repercussão nacional no jornal O Estado de S. Paulo, com a reportagem Metas de redução de emissões de gases estufa são insuficientes, da jornalista Giovana Girardi.

Posts relacionados

Deixe um comentário