Idesam define sua participação na Rio+20

Estamos a menos de uma semana para o início da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. A “Rio+20”, como ficou conhecida pela mídia e pelo público em geral, acontece entre os dias 13 e 22 de junho de 2012, na cidade do Rio de Janeiro, e marca os vinte anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92).

O objetivo da Conferência é definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas e elaborar um plano de ação para construir um mundo mais limpo e sustentável, compatível com o aumento populacional. Porém, ainda há muito desentendimento em relação a como balancear crescimento e sustentabilidade, e muitas organizações e personalidades de influência na questão ambiental estão incrédulos quanto aos resultados práticos do evento.

Apesar de dúvida, é inegável que a Conferência seja uma grande oportunidade para a tomada de decisões e a escolha de novos rumos para o desenvolvimento sustentável, uma vez que mais de 180 países-membros da Organização das Nações Unidas (ONU) já confirmaram presença. De acordo com notícia veiculada pela Agência Brasil no dia 11 de maio, até então 135 presidentes, vice-presidentes ou primeiros-ministros dessas nações já estavam inscritos para discursar durante a reunião.

Idesam acompanha negociações e eventos paralelos

Além de acompanhar as negociações oficiais da Conferência, o IDESAM participará de uma série de painéis e eventos paralelos, onde os pesquisadores apresentarão a experiência do Instituto sobre temas específicos, assim como os resultados de alguns de seus projetos.   Confira aqui a participação completa do IDESAM na Rio+20.

No dia 15 de junho, o Idesam realizará o debate “Como envolver o setor privado e catalisar a mudança: um enfoque sobre REDD+”, que acontece no dia 15 de junho, às 18h30. São parceiros na realização do evento: Althelia Ecosphere; VCS (Verified Carbon System); Ecam (Equipe de Conservação da Amazônia); Aliança da Terra e a Associação Metareilá do Povo Indígena Suruí, representada pelo líder maior do povo Paiter Suruí, o Chefe Almir Narayamoga.   De acordo com o Secretário Executivo Adjunto do Idesam, Mariano Cenamo, o evento vai discutir meios de como o setor privado pode interagir com a conservação de florestas e promoção do desenvolvimento social e econômico com foco específico no REDD+. “Existe uma expectativa muito grande em como as empresas privadas podem participar mais ativamente desse mecanismo, uma vez que, em poucas iniciativas já implementadas, o envolvimento delas tem gerado resultados práticos mais conectados com a realidade da floresta”, destacou.

Segundo o pesquisador, essa aposta no setor privado surge uma vez que o processo multilateral de negociação entre governos – a exemplo das Convenções do Clima (COPs) e a Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) – está gerando poucos resultados práticos no âmbito de REDD. “Esse é o sentimento geral sobre esses eventos”, enfatiza. Para estabelecer um panorama das iniciativas de REDD+, o Idesam conta com o apoio dos parceiros VCS, Althelia Ecosphere e do Chefe Almir Suruí: “teremos como pano de fundo algumas iniciativas que já estão acontecendo, como o projeto Suruí, os projetos que a Althelia tem financiado e os projetos que estão sendo certificados dentro do VCS”, explicou Mariano.

Força Tarefa de Governadores

Outro evento paralelo que terá participação ativa do Idesam será o “GCF na Rio+20: REDD+ e Desenvolvimento de Baixo Carbono”, que acontece no dia 19 de junho, às 18h30, no Royal Tulip Hotel, zona sul do Rio de Janeiro. O encontro vai destacar os mais recentes desenvolvimentos subnacionais em REDD+ e pretende ser uma troca de experiência envolvendo todos os membros da força-tarefa.

A pesquisadora Mariana Pavan, que atua como ponto focal do GCF para os Estados brasileiros, explica que o evento será dividido em duas etapas: “No primeiro momento, vamos realizar uma mesa redonda com os governadores, eles vão levar a experiência e discutir os desafios de conciliar desenvolvimento e conservação florestal”, explica.

Logo depois, será realizada uma recepção onde CIFOR (Center for International Forestry Research) e Ipam (Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia) farão o lançamento de suas novas publicações, e o Google vai fazer uma exposição de como as ferramentas PSA, Iniciativas de REDD+ e Estruturas Institucionais Inovadoras”, voltada para discutir iniciativas que já estão acontecendo ao redor do mundo, principalmente com foco no hemisfério Sul, também contará com a presença do Idesam.

O Intercâmbio de iniciativas entre Brasil, África e Indonésia é uma atividade que o Idesam promove desde 2008. “Normalmente, o fluxo de informações é Norte-Sul, ou seja, países desenvolvidos, que geralmente são os investidores nesse tipo de atividades, fazendo intercâmbio com os projetos, mas entre os projetos há pouca troca de informações”, afirma Mariano, destacando a presença do Idesam em atividades na Etiópia e em Gana.   Saiba mais sobre os eventos dos quais o Idesam participa: O Idesam na Rio+20

Posts relacionados

Deixe um comentário