Cidades Florestais: Madeira-Purus

content image
Cidades Florestais: Madeira-Purus

O ”Cidades Florestais: Madeira-Purus” é uma iniciativa que beneficia quatro Unidades de Conservação localizadas nas calhas dos rios Madeira e Purus (FLOTA Tapauá, RDS Igapó Açu, RDS Rio Amapá e Resex Ituxi).

As atividades envolvem seis associações comunitárias em ações de formação de lideranças, consolidação de cadeias produtivas sustentáveis e ações de monitoramento e de desenvolvimento local e regional.

A iniciativa é coordenada pelo Idesam, com apoio pelo Projeto Legado Integrado da Região Amazônica (Lira), do Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ).  Além das associações locais, a iniciativa conta com a parceria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Amazonas) e da ONG Casa do Rio.

O projeto Lira é apoiado por recursos do Fundo Amazônia e Fundação Gordon e Betty Moore, que são distribuídos pelo projeto às Organizações da Sociedade Civil. Para o desenvolvimento dos projetos socioambientais, o IPÊ conta com parceiros de todos os setores e trabalha como articulador em frentes que promovem o engajamento e o fortalecimento mútuo entre organizações socioambientais, iniciativa privada e instituições governamentais. Para saber mais, acesse lira.ipe.org.br.

Contexto

Há pouco mais de dois anos, o Idesam iniciava as ações do projeto Cidades Florestais,  que busca fomentar o desenvolvimento de comunidades amazônicas por meio do uso múltiplo e responsável da floresta. Agora em 2020, o Idesam dá o pontapé inicial no “Cidades Florestais: Madeira-Purus”, com foco na sustentabilidade financeira das Áreas Protegidas e geração de renda para pelo menos 180 famílias de comunidades das quatro Unidades de Conservação (UCs) localizadas na região do interflúvio Madeira-Purus.

As regiões escolhidas para integrarem as atividades são localidades com alta pressão de desmatamento e madeira ilegal. Além disso, as organizações sociais na região possuem baixo nível organizacional e gerencial, com processos produtivos enfraquecidos e quase inexistentes, onde o baixo emprego tecnológico se torna uma questão preocupante.

O fomento a cadeias produtivas  e assistência técnica quase que inexistentes também refletem na baixa agregação de valor aos produtos, com ofertas inconsistentes. Com todo esse cenário, integrar cadeias produtivas sustentáveis nestas UCs é um dos principais objetivos do projeto.

Linhas de atuação

1. Mecanismos de Governança

  • Formação de lideranças para gestão de empreendimentos sociais.

2. Uso Sustentado dos Recursos Naturais

  • Consolidação de cadeias produtivas florestais;
  • Desenvolvimento de concessões em florestas comunitárias;
  • Unidade de beneficiamento comunitária Igapó Açu.

3. Sistemas de Monitoramento e Proteção

  • Monitoramento do uso da biodiversidade por meio do
    aplicativo Cidades Florestais.

4. Integração com Desenvolvimento Local e Regional

  • Painel integrado cadeias da sociobiodiversidade.

Resultados esperados

 

Na busca pela implementação e a sustentabilidade financeira das Áreas Protegidas por meio de mecanismos previstos na legislação, incentivando o desenvolvimento sustentável e a geração de renda para as comunidades, o Projeto Cidades Florestais: Madeira-Purus conta com alguns resultados esperados para os próximos dois anos:

  • 06 municípios do Amazonas;
  • 03 UCs Estaduais;
  • 01 UC Federal;
  • 06 organizações sociais;
  • 400 pessoas beneficiadas pelo projeto;
  • 03 Planos de desenvolvimento organizacional;
  • 02 Planos de Manejo Florestal Comunitário;
  • 170 m3 de madeira serrada comercializados;
  • 02 toneladas de produtos não madeireiros comercializados;
  • 01 Protocolo comunitário (relação comunidade e empresa);
  • 01 EVE para manejo florestal;
  • 01 Unidade de beneficiamento da madeira manejada;
  • Melhoria da organização produtiva e gestão de empreendimentos;
  • Comercialização de madeira e PFNM de forma continuada;
  • Lideranças fortalecidas para governança local;
  • Qualificação de mão de obra;
  • Geração de renda nas comunidades.

Instituições participantes

 

• Casa do Rio;

• AAMFET – Associação Agroextrativista dos
Moradores da Floresta Estadual de Tapauá
• Associação Comunitária São Sebastião do
Igapó Açu;

• CAAD – Central das Associações
Agroextrativistas de Democracia;

• APADRIT – Associação dos Produtores
Agroextrativistas da Assembleia de Deus do
Rio Ituxi;

• COOPAGRI – Cooperativa Agroextrativista da
RESEX Ituxi;

• SEBRAE-AM.

Onde Atuamos

Em breve

Parceiros e Financiadores

logopsite_fundo-amazonia-large