Manejadores se unem para fortalecer atividade florestal na RDS do Uatumã

content image
Manejadores se unem para fortalecer atividade florestal na RDS do Uatumã

Grupo formado por comunitários da reserva se reúne para alinhar objetivos do Projeto Cidades Florestais; próxima etapa será identificar o potencial madeireiro da região

 

Por Henrique Saunier

 

O projeto Cidades Florestais do Idesam avançou mais uma etapa com a formação do grupo de manejadores que será responsável por conduzir o manejo florestal da associação dos moradores da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã. O grupo foi criado em reunião no início de maio e o próximo passo é identificar os locais de implementação dos planos de manejo florestal.

O Cidades Florestais é um projeto executado pelo Idesam com financiamento do Fundo Amazônia e tem por objetivo promover o uso múltiplo da floresta por meio do incentivo ao manejo florestal e apoio à produção comunitária familiar. Além da criação do grupo com objetivos e regras específicas, durante a última reunião foram discutidas as etapas do manejo florestal, e direitos e deveres de seus integrantes.

Agora, os integrantes do grupo devem verificar o potencial madeireiro da área onde se almeja instalar os três planos de manejo florestal. Uma das obrigações dos integrantes é participar dos cursos de gestão de manejo e também participar de todas as atividades do processo.

Por safra, será realizada uma reunião de organização do grupo, que deverá estabelecer o coordenador de cada etapa do manejo a ser executada, estabelecer o número de pessoas necessários para cada etapa, avaliar os custos e a forma de custear cada uma delas. Os próprios produtores irão definir a forma de repartição de lucro e dívidas.

Esta foi a terceira reunião realizada na RDS do Uatumã com os produtores que trabalharão junto ao projeto. Após a avaliação das áreas que devem receber os planos de manejo, serão iniciadas as capacitações do grupo.

“Nas experiências anteriores com planos de manejo na RDS foi possível explorar de 15m³ a 18 m³ por hectare. A avaliação a ser realizada irá verificar a existência de espécies com alto valor de mercado, como Ipê e Itaúba”, explica o gerente do projeto, André Vianna.

Atualmente, 10 pessoas compõe o grupo de manejadores, incluindo moradores das comunidades: São Francisco do Caribi, Santa Luzia do Caranatuba, Bela Vista e Bom Jesus. Ainda existem 10 vagas para as comunidades do Abacate, Nossa Senhora do Livramento, Bom Jesus, Maanaim e Maracarana.

Relacionados