Criação da câmara técnica florestal une empresários das serrarias de Apuí

content image
Criação da câmara técnica florestal une empresários das serrarias de Apuí

Por Vitor Coluna, pesquisador do Idesam

Entre os anos de 2011 e 2013, pesquisas e estudos realizados por Instituto de Desenvolvimento Agropecuário Florestal do Amazonas (Idam), WWF e Idesam demonstraram a importância do setor florestal no município de Apuí, o qual emprega 11% da população economicamente ativa do município, injetando mais de R$ 2 milhões na economia local, direta e indiretamente.

Estas investigações também evidenciaram a existência de várias limitações para setor, como a falta de matéria prima legal, falta de mão de obra qualificada e algumas dificuldades em acessar financiamentos para aquisição de novas tecnologias.

Diante da importância do setor para o município e das limitações que engessam o desenvolvimento dessas atividades, criou-se a Câmara Técnica (CT) Florestal do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS), cuja finalidade é reunir representantes dos atores e parceiros para propor melhorias para o setor.

As primeiras reuniões da Câmara Técnica Florestal aconteceram no início do mês de outubro e culminaram na reativação da Associação de Produtores Florestais (APROF), organização social que representa as serrarias do Apuí.

Os participantes também definiram como objetivo principal da Câmara Técnica Florestal a elaboração, até dezembro de 2014,  de um documento formal contendo as demandas e o plano de ação do setor. Este documento será encaminhado pelo CMDRS aos governos estadual e municipal e monitorado pela CT Florestal.

A partir desse planejamento, a Câmara Técnica Florestal almeja apoiar a construção da política municipal de florestas do Apuí e a implantação de modelos de concessão florestal nas florestas estaduais e nacionais existentes no município, contribuindo, dessa forma,  para atender à demanda por madeira legal.