Projeto Jovens Empreendedores Florestais recebe financiamento da Fapeam

content image
Projeto Jovens Empreendedores Florestais recebe financiamento da Fapeam

[:pt]Por Rogério Lima

No último dia 20 de março, o Projeto Jovens Empreendedores Florestais (JEF) do IDESAM foi aprovado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) através do edital “Jovens Cientistas Amazônidas” (JCA). Com o objetivo de diagnosticar os principais meios produtivos da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, o projeto também conta com a pesquisa aplicada para pequenos negócios florestais e agroextrativistas com potencial de implantação na Unidade de Conservação.

A proposta visa despertar nos jovens moradores das Unidades de Conservação uma visão empreendedora, utilizando elementos da ciência que possibilitem alavancar as iniciativas familiares. O projeto contará com a participação de 1 professor e 5 alunos da escola Estadual Yamamay, localizada em uma das comunidades da Reserva. Eles realizarão um estudo de fluxo da caixa das principais atividades agroextrativistas da Unidade de Conservação por um período de 12 meses, acompanhados de pesquisadores do Idesam, que irão coordenar a atividade.

Ao final deste período será realizada uma análise comparativa dos fluxos de caixa de diferentes arranjos produtivos da RDS do Uatumã, permitindo visualizar quais desses arranjos podem ser mais rentáveis para a UC. De acordo com o secretário executivo do IDESAM, Carlos Gabriel Koury, o objetivo vai além de apenas mostrar caminhos e formas de chegar a um resultado final, mas sim caminhar junto com os comunitários até que o empreendimento se consolide.

“O propósito do projeto é ‘calibrar’ o olhar do estudante para a floresta, de modo que ele enxergue novas oportunidades de negócios, com sua cadeia de produtos, serviços, e suprimentos”, afirma Koury.

A escolha do Uatumã deve-se às características de produção da reserva. Na RDS do Uatumã, o agroextrativismo aparece como principal atividade produtiva. Foram levantadas 42 espécies utilizadas na agricultura de subsistência de seus moradores.

Segundo André Vianna, coordenador do Programa Manejo Florestal do IDESAM e responsável pelo projeto, a metodologia permitirá realizar a análise financeira produtiva da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã, facilitando aplicação de políticas públicas voltadas à geração de renda. A ideia é que a iniciativa possa ser levada a outras comunidades rurais da Amazônia.[:]