DOE AGORA

Oficina capacita sobre gestão de empreendimentos sociais em Lábrea

Oficina capacita sobre gestão de empreendimentos sociais em Lábrea

Integrantes de duas associações participaram da atividade, conduzida pelo projeto Cidades Florestais: Madeira-Purus.

 

Por Comunicação Idesam
Foto: Arquivo Idesam

 

Fomentar a implementação de cadeias produtivas sustentáveis, melhorando a gestão das organizações sociais e diminuindo a vulnerabilidade financeira – bem como trazer melhorias na gestão administrativa e organizacional de duas associações situadas em Lábrea. Esse foi o propósito da oficina Capacitação em Gestão de Empreendimentos Sociais, iniciativa conduzida por meio do Cidades Florestais: Madeira-Purus, projeto do Idesam. 

Ao todo, 11 pessoas das associações de produtores Agroextrativistas da Assembleia de Deus do Rio Ituxi (Apadrit) e da Colônia do Sardinha (Aspacs) marcaram presença na atividade, cuja metodologia teve como base o guia de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) CapGestão Amazônia. “A perspectiva é fortalecer a organização dos valores e conhecimentos desses produtores, proporcionando maior qualificação ao sistema de gestão (organização, produção e comercialização) em prol de uma ação mais qualificada junto aos mercados públicos e privados”, explica Marcus Biazatti, coordenador de Manejo Florestal do Idesam. 

Para Valcemir Monteiro da Silva, coordenador secretário de Manejo Florestal da Reserva Extrativista Ituxi (Resex Ituxi), a iniciativa trouxe mais conhecimento ao dia a dia dos trabalhadores. “Em primeiro lugar, compreendemos como funcionam as atividades e tiramos as dúvidas. Depois, ficamos cientes sobre como gerir uma organização e gratos pelo aprendizado. Nós entendemos como cada diretor pode exercer seu papel, sem esperar um pelo outro e dividindo as atividades”, explica. 

Por sua vez, Sandra Barros, que faz parte da Aspacs, considera a capacitação algo fundamental para todos. “Nós, da diretoria da Aspacs, e os associados passamos a entender o papel de cada um, como funciona a gestão de um empreendimento social. Como presidente, por exemplo, eu acumulava várias funções e os demais só recebiam o resultado desse trabalho”, relembra. 

 

“Nós somos os responsáveis pelo sucesso do empreendimento. Como é uma associação, é algo coletivo. Cada um é responsável por aquilo que faz, mas no final o sucesso é de todos, da Aspacs. E, hoje, após essa capacitação, até a nossa assembleia é mais participativa. Não sei se era o medo da gente, que estava ali na frente como responsável de tudo, mas sentimos essa evolução. É um processo que requer tempo, não é de um dia para o outro, mas o Idesam tem sido peça fundamental em nos ajudar com esse desenvolvimento” 

– Sandra Barros, integrante da diretoria da Aspacs 

 

Cartilhas 

Além da oficina, o Cidades Florestais: Madeira-Purus também desenvolveu cartilhas voltadas especialmente para a oficina. “Essas obras foram produzidas para apoiar as comunidades nos aspectos gerenciais e produtivos para o manejo florestal comunitário e de produtos florestais não madeireiros. Em Lábrea esses exemplares foram distribuídos para as duas organizações sociais (APADRIT e ASPACS)”, finaliza Marcus Biazatti. 

 

Cidades Florestais: Madeira-Purus

O Cidades Florestais: Madeira-Purus é uma iniciativa do Idesam, apoiada pelo projeto Legado Integrado da Região Amazônica (Lira), do Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ). A iniciativa beneficia quatro Unidades de Conservação localizadas nas calhas dos rios Madeira e Purus (FLOTA Tapauá, RDS Igapó Açu, RDS Rio Amapá e Resex Ituxi) e envolve seis associações comunitárias em ações de formação de lideranças consolidação de cadeias produtivas sustentáveis, monitoramento e desenvolvimento regional. Um dos objetivos da iniciativa é buscar a sustentabilidade financeira das Áreas Protegidas por meio de mecanismos previstos na legislação, incentivando o desenvolvimento sustentável e a geração de renda para as comunidades. 

Além das associações locais, a iniciativa conta com a parceria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/AM+) e da ONG Casa do Rio. O LIRA é apoiado por recursos do Fundo Amazônia e Fundação Gordon e Betty Moore. Para o desenvolvimento dos projetos socioambientais, o IPÊ conta com parceiros de diversos setores e trabalha como articulador em frentes que promovem o engajamento e o fortalecimento mútuo entre organizações socioambientais, iniciativa privada e instituições governamentais. Para saber mais, acesse lira.ipe.org.br.

WordPress Lightbox Plugin