DOE AGORA

Primeiro café agroflorestal orgânico da Amazônia se prepara para escalar a produção

Primeiro café agroflorestal orgânico da Amazônia se prepara para escalar a produção

Rodada inovadora de investimentos impulsiona produção do café aliada a créditos de carbono.

 

Da Assessoria
Foto: Arquivo Idesam

 

Idesam, Amazônia Agroflorestal, Mirova Natural Capital e Axcell formalizaram uma parceria que garantiu a captação de investimentos de R$ 11 milhões para expandir a produção do Café Apuí Agroflorestal de modo sustentável, com previsão de devolução do investimento em créditos de carbono.

Com a injeção de capital, realizada junto à empresa Amazônia Agroflorestal em parceria com o Idesam, serão incluídas mais de 300 famílias no cultivo do café em Apuí, sul do Amazonas. O município é um dos mais pressionados pelo desmatamento no estado.

Os investimentos na empresa – incubada pelo Idesam e hoje um negócio de impacto criado para buscar mercados para o café – vão permitir escalonar o modelo de negócios com expansão das áreas de agroflorestas plantadas, aumento do número de famílias beneficiadas e melhoria da qualidade do café. Será possível expandir a produção para mais de 600 hectares ao longo dos próximos 10 anos.

“Um dos maiores desafios do Idesam é viabilizar a continuidade e expansão de projetos que demonstram viabilidade técnica e econômica, mas não conseguem acessar capital e investimentos para ganho de escala. Conseguir atrair o aporte de investidores privados como a Mirova e Axcell é a comprovação de que estamos no caminho certo, e esperamos que outras organizações possam seguir a mesma trajetória”, explica Mariano Cenamo, Diretor de Novos Negócios do Idesam, que deu início ao projeto Café Apuí Agroflorestal a cerca de 10 anos atrás.

“Receber investimentos desse porte é motivo de grande felicidade para nós e mostra a seriedade de todo o trabalho feito em Apuí. Nossa missão é alavancar a produção agroflorestal no Amazonas e receber esses aportes tornam esse sonho realidade. Será possível investir em novos maquinários, capacitações, atingir novos mercados, como mercado exterior em café verde, entre outras melhorias”, comemora Jonatas Machado, diretor comercial da Amazônia Agroflorestal.

Em volume de produção, isso pode representar um salto para mais de 12 mil sacas de café agroflorestal por ano, o que representa um crescimento superior a 5.000%, no comparativo com a produção de 2021, que foi de 231 sacas. O investimento traz também a possibilidade de ampliar a cesta de produtos e atingir novos mercados com o fortalecimento da presença no e-commerce.

 

Investimento e inovação fomentam escala do negócio e conservação da floresta

A rodada de investimentos foi liderada pela empresa Mirova Natural Capital, responsável pela gestão do Amazon Biodiversity Fund Brazil (ABF), fundo comercial privado de investimento de impacto lançado em 2019 e administrado pela gestora brasileira Vox Capital. Desenhado em parceria com a USAID/Brasil e Aliança Biodiversity e CIAT, está registrado como um Fundo de Investimento e Participações (FIP), com vigência de 11 anos e previsão de captar até R$ 300 milhões) no período. Os gestores do fundo já estruturaram 4 negócios e outros 20 estão em desenvolvimento.

“Estamos muito felizes em conseguir investir neste projeto icônico e de alto impacto. Este projeto trará conhecimento aos pequenos produtores numa região importante para o desenvolvimento da bioeconomia da Amazônia, e conectar-lhes aos mercados de café e serviços ambientais. O potencial do projeto é enorme, fortalecido pelo grupo de sócios e parceiros com ampla experiência no Amazonas”, Nick Oakes, diretor de Investimentos do fundo ABF.

A outra investidora, Axcell, é uma aceleradora de impacto recém-criada, com foco em negócios de impacto da Amazônia, sediada em Manaus. “O aporte na Iniciativa Café Apuí é parte da nossa estratégia de investir em empreendimentos sustentáveis e de impacto, que fortaleçam todo o ecossistema da cadeia produtiva no Amazonas, estando a empresa com ótima governança e maturidade”, destaca Átila Denys, investidor-anjo em negócios de impacto e acionista da Axcell.

O contrato com as investidoras está baseado no retorno em créditos de carbono, o que beneficiará também os produtores de café, que terão retorno pela atividade de conservação que promovem nas áreas de floresta de suas propriedades. O projeto de carbono ainda está em fase de desenvolvimento, e em breve os termos para repartição de benefícios por serviços ambientais serão firmados com os produtores. A expectativa é de que haja ainda mais desenvolvimento econômico e conservação florestal incentivada pelos créditos de carbono gerados pelo projeto.

“É um arranjo bastante inovador, e que para além de ser uma solução interessante, reconhece o papel que os produtores têm na conservação de florestas. O Idesam, como parceiro técnico do projeto de carbono, está muito satisfeito em poder trazer ainda mais incentivos aos seus parceiros no campo”, explica Victoria Bastos, coordenadora de Mudanças Climáticas do Idesam.

A trajetória do Café Apuí, de projeto incubado pelo Idesam à criação de uma empresa de impacto com uma estratégia inovadora de venture-building, foi registrada na publicação ‘Do Projeto à Empresa de Impacto: a Experiência do Café Apuí Agroflorestal’, lançada em 2020.

O escritório SBSA Advogados foi responsável pela construção jurídica da empresa Amazônia Agroflorestal por meio de uma operação similar a um spin-off do Idesam e prestou apoio jurídico fundamental para a rodada de investimento. “O investimento foi estruturado como contrato de mútuo conversível com previsão de pagamento em créditos de carbono. Esse é certamente um diferencial inovador dessa operação pois, além do resultado final esperado de expansão da produção de café agroflorestal, os meios para a sua execução geram impacto positivo com a comercialização de créditos de carbono ”, explica a advogada Aline Gonçalves, sócia de Inovação, Negócios de Impacto e ESG no escritório SBSA Advogados.

WordPress Lightbox Plugin