“Paragominas, seja bem vindo a Apuí!”

Foi com esse jargão que recebi os representantes do Sindicato dos Produtores Rurais de Paragominas (SPRP), em 17 de abril, no aeroporto local. Se tivesse contido a empolgação teria dito que estava feliz por reencontra-los, dessa vez em Apuí, e empolgado por toda a troca de informações sobre desenvolvimento municipal sustentável que ainda estava por vir.
 O encontro, que para persistir no tempo foi nomeado como o 1º Intercâmbio de Pecuária e Sustentabilidade de Apuí, contou ainda com a participação da ONG The Nature Conservancy (TNC), da empresa de consultoria pecuária Boviplan, da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (CMADS) e de diversas entidades locais. Realizado pelo Idesam com apoio do Fundo Vale, dentro das propostas do Projeto Semeando Sustentabilidade em Apuí (SSA), o Intercâmbio foi conduzido para agregar força no processo de transformação socioambiental que acontece no município. Nesse sentido, todas essas entidades estavam reunidas em Apuí para discutir junto com a sociedade, através de uma série de palestras e visitas técnicas, modelos de pecuária mais adequados às condições da região.
O SPRP e a TNC apresentaram as experiências de Paragominas (Pará) em torno da regularização ambiental das propriedades rurais e o aumento de produtividade na pecuária sem derrubar um palmo de floresta. De forma explícita deixaram claro quais foram os caminhos que deram ao município de Paragominas o título de “município verde”. O deputado estadual (AM) Luiz Castro, atual presidente da CMADS, expôs a necessidade de maior intervenção do Governo do Amazonas no desenvolvimento da pecuária no Estado e o consultor da Boviplan apresentou o estudo de viabilidade econômica referente às quatro unidades de intensificação pecuária implantadas pelo Idesam em Apuí.
 
Após as palestras, iniciamos as visitas técnicas nas Unidade Demonstrativas de manejo rotacionado (UD). Na fazenda Paredão, o grupo foi recebido pelo agropecuarista Ivo Ferrasso. Após o café tipicamente da roça e de uma conversa descontraída na cozinha levemente esfumada pelo trabalho silencioso do fogão de lenha, o grupo seguiu para a UD. Ao longo da caminhada – da sede da fazenda até a praça de alimentação da UD – o técnico do Idesam Adalberto Vicente e Antony Sewell (Boviplan) expuseram como o projeto foi desenhado e implementado. Ao comparar a área da UD com as outras áreas de manejo tradicional dentro da propriedade, Ivo Ferrasso disse que conseguiu dobrar a quantidade de animais por área e percebeu uma sobra de capim, o que evidencia as vantagens do manejo rotacionado. Almoçamos, nos despedimos e seguimos.

 

 

As visitas se sucederam nas outras três fazendas; o grupo sempre bem recebido pelos proprietários que compartilhavam boas conversas debaixo da sombra fresca das árvores do quintal. Nas áreas do manejo rotacionado já é notado claramente uma melhora na pastagem e uma satisfação maior dos produtores que já falam em ampliar. Apesar do bom desempenho, o presidente do SRPR, Mauro Lúcio Costa, que tem mais de 30 anos de experiência na criação de gado na Amazônia, apontou alguns detalhes na UD que, se trabalhados, podem elevar ainda mais a produtividade do rebanho. Essa percepção, associada ao interesse dos produtores parceiros e do Idesam, abriu as articulações para os próximos intercâmbios. Em breve, o pessoal de Apuí retorna para Paragominas, assim como ocorreu em 2011 (saiba mais em: Intercâmbio Apuí-Paragominas), e dará continuidade nesse fluxo positivo de influências e confluências.
 
Conhecer exemplos de transformação que deram certo, ouvir o produtor e ampará-lo com técnica e crédito são iniciativas que podem ser efetivas para inibir a força motriz do desmatamento na Amazônia. Uma nova perspectiva de desenvolvimento começa a ser semeada em Apuí e, aos poucos, a população passa a entender a sua necessidade, os benefícios econômicos e ambientais, e vislumbrar a possibilidade de mudança. 

 

O debate que nos convida a pensar e aplicar ideias sustentáveis é essencial para alcançar a transformação necessária. A equipe do Idesam, juntamente com seus parceiros e apoiadores, cultiva esse pensamento e prossegue com sua missão em Apuí.

Diego Brandão
Pesquisador do Programa Mudanças Climáticas do Idesam;
Coordenador de Campo do Projeto SSA. 

Confira algumas notícias sobre o evento:

Deixe um comentário