Aldeias indígenas do rio Marau recebem “puxirum agroecológico”

guarana-satere-mawe-projeto-agricultura-indigena

Por Rogério Lima – 

Entre os dias 27 de fevereiro e 6 de março, o Idesam realiza, nas aldeias da Terra Indígena Andirá-Marau, a segunda edição do “Puxirum Agroecológico”. O evento faz parte do Programa de Agricultura Indígena da Sepror (Secretaria de Estado da Produção Rural), patrocinado pela Petrobras. Durante a programação, os técnicos realizarão o plantio de Sistemas Agroflorestais (espécies florestais + espécies agrícolas) e a instalação de viveiros de mudas, que abastecerão os comunitários em suas atividades de agricultura.

Além das atividades voltadas para recuperação de áreas degradadas, a programação do evento também conta com diversas atividades de educação ambiental e sensibilização. Através de oficinas práticas sobre compostagem caseira e cultivo de hortaliças, os pesquisadores buscar estimular práticas agroecológicas e contribuir para o manejo das espécies locais.

De acordo com o engenheiro agrônomo Ramom Morato, coordenador técnico do projeto pelo Idesam, a atividade terá uma terceira edição ainda em 2015, contemplando as aldeias localizadas às margens do rio Uaicurapá, também no leste do Estado. Morato lembra que a primeira edição do evento ocorreu em novembro de 2014, nas comunidades de Nova União, Guaranatuba, Vida Feliz, Castanhal e Vinte Quilos.

Para o engenheiro, é essencial valorizar a produção de guaraná dos Saterê. “Estamos fortalecendo o consórcio de diversas espécies que eles já trabalham — como cumaru, pau-rosa, andiroba — para que eles possam viver do guaraná e fortalecer o povo Saterê-Mawé, sendo um exemplo de desenvolvimento sustentável e consciente”, diz.

Posts relacionados

Deixe um comentário