Manejo Agroflorestal na Amazônia

curso-agrofloresta-ernst-1

Por Vinícius Figueiredo, pesquisador do Programa Mudanças Climáticas do Idesam

Entre 7 a 12 de outubro tive a oportunidade de conhecer e aprender muito sobre sistemas agroflorestais com uma referência internacional no assunto: Ernst Götsch. Pesquisador suíço, iniciou seus estudos com melhoramento genético de plantas forrageiras, e logo passou a se dedicar na busca por sistemas de plantio que proporcionassem condições favoráveis às plantas, ao invés de melhorá-las geneticamente.

Esta longa caminhada teve início na década de 70. Em 1979, mudou-se para a Costa Rica e, em 1984, comprou uma fazenda no sul da Bahia onde hoje já reflorestou mais de 400 hectares com plantios agroflorestais sucessionais, obtendo alta produtividade no cultivo de cacau, banana e outras espécies vegetais.

O curso de manejo agroflorestal foi promovido pelo Centro de Treinamento Agroflorestal do Museu da Amazônia (CTA/Musa) e pelo Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ). A programação teve o formato de imersão – com aulas práticas e teóricas. O grupo se mostrou tão interessado em aproveitar o tempo com Ernst que algumas acabaram sendo realizadas depois do jantar. Entre os participantes estavam pesquisadores, técnicos e produtores rurais.

Além de visitar algumas comunidades no Rio Negro, os participantes tiveram a oportunidade de implantar uma área agroflorestal no Centro de Treinamento do Musa, localizado no bairro Puraquequara, zona leste de Manaus.

curso-agrofloresta-ernst-2 curso-agrofloresta-ernst-3 curso-agrofloresta-ernst-5

As técnicas e práticas passadas por ele visam aproveitar os recursos naturais presentes no local, sem o uso de insumos e maquinários pesados, utilizando plantas arbóreas perenes com cultivos agrícolas anuais. Essa prática mantém uma produtividade sucessional, visando ao longo do tempo a formação de uma floresta estratificada e em equilíbrio com o meio ambiente.

Por fim, nos restou uma grande satisfação e admiração por quem trabalha e vive a agrofloresta, além da sensação de que ainda há muito o que desenvolver nesta linha de plantios agroflorestais na Amazônia.

Posts relacionados

Deixe um comentário