DOE AGORA

Ações buscam reduzir vulnerabilidades financeiras em Unidades de Conservação do AM

Ações buscam reduzir vulnerabilidades financeiras em Unidades de Conservação do AM

Atividades executadas pelo Idesam pelo projeto Cidades Florestais: Madeira-Purus focam em desenvolver viabilidade econômica para comunidades tradicionais.

 

Por Samuel Simões Neto
Foto: Flávia Araújo

 

O Idesam deu início, no mês de novembro, a uma série de atividades de diagnóstico de cadeias produtivas nas unidades de conservação (UC) atendidas pelo projeto Cidades Florestais: Madeira-Purus. O objetivo da ação é coletar informações para a elaboração de um estudo sobre potenciais e gargalos relacionados às cadeias produtivas dessas Áreas Protegidas.

Entender essas características é fundamental para a elaboração de propostas de melhorias, que poderão ser implementadas na próxima fase do projeto Cidades Florestais.

Para o coordenador do projeto, o engenheiro florestal Marcus Biazatti, essas etapas podem futuramente levar à redução de vulnerabilidades nas UCs atendidas.

“O uso de matérias-primas locais é essencial para a evolução da Bioeconomia na Amazônia e tem impacto direto na qualidade de vida das populações, principalmente dos municípios do interior, mas os envolvidos ainda encontram muitas dificuldades, principalmente de logística e assistência técnica. É nesse elo da cadeia que o projeto pretende apoiar”, explica.

O pontapé inicial foi a realização – entre os dias 6 e 15 de novembro – de uma série de entrevistas no município de Tapauá, com representantes de instituições governamentais, líderes comunitários, representante da fábrica de castanha e representantes do Sindicato da Pesca e da Colônia de Pescadores do município.

Além do encontro com lideranças comunitárias na sede do município, a equipe visitou a Floresta Estadual de Tapauá, onde conversou com atores-chave.

“A participação dos comunitários é indispensável, uma vez que qualquer estratégia de melhoria precisa atender as expectativas e anseios dos atores locais ”, defende Paula Guarido, bióloga e pesquisadora do Idesam.

 

“Entendendo o contexto local a partir do olhar dos envolvidos, incluindo as suas expectativas e frustrações, conseguimos ser mais assertivos nos próximos passos para a estruturação dessas cadeias produtivas”

– Paula Guarido, pesquisadora do Idesam.

 

O titular da pasta de Meio Ambiente e Turismo (Semmatur) do município de Tapauá, Jaciel dos Santos Sousa, que foi um dos entrevistados, defendeu o repasse de mais recursos que possam ser aplicados de forma prática na melhoria de atividades produtivas. O secretário também defendeu as concessões florestais, a partir de parcerias público-privadas, com um contrato social bem definido entre empresas interessadas e comunidades.

“A partir desse direcionamento de recursos – pessoais e financeiros – é possível levar mais retorno e benefícios para os comunitários”, destacou Santos.

 

Capacitação em extração de copaíba

Uma segunda atividade realizada pelo projeto foi o curso “Boas Práticas de Extração do Óleo de Copaíba”, entre os dias 27 e 29 de outubro, na comunidade de São Sebastião, localizada na RDS Igapó-Açu, no município de Careiro (AM). O curso contou com a participação de 10 comunitários, que aprenderam técnicas e boas práticas para melhor realização da coleta de copaíba.

De acordo com a técnica Florestal Flávia Araújo, do Idesam, antigamente, os troncos de copaíba eram cortados com um machado, o que facilitava a obtenção de grandes quantidades do óleo. Mas essa prática impossibilitava a recuperação da árvore, causando a sua morte e, como resultado, na redução da oferta do produto.

 

“Hoje, sabemos que a melhor maneira de fazer a extração é por meio de uma perfuração no tronco e a utilização do trado. Mas mesmo assim, esse processo precisa ser feito com cuidado, para não prejudicar a vida da árvore”, explica.

Os participantes também tiveram orientações sobre como manusear o Aplicativo Cidades Florestais, lançado pelo Idesam em 2019, com intuito de implementar a rastreabilidade de todos os produtos e comunidades do projeto Cidades Florestais.

 

Falar sobre extrativismo sem degradação é de suma importância para o projeto, principalmente considerando que estamos dentro de uma unidade de conservação. Essa ações tem grandes chance de dar certo pois mostram novos caminhos para geração de renda, sem agredir a floresta. 

– Sueli Martins da Silva, moradora da comunidade de São Sebastião e participante do curso.

 

Para o vice-presidente da Coopemaia, Jorge Nildo dos Santos, a atividade trouxe novas possibilidades para a comunidade, do ponto de vista financeiro.

“O projeto me deu uma visão de futuro, mais conhecimento e esperança. No futuro estaremos mais aptos para explorar a floresta e conseguir dinheiro para nossas famílias”, destacou.

 

Sobre o projeto

O Cidades Florestais: Madeira-Purus é uma iniciativa do Idesam, apoiada pelo projeto Legado Integrado da Região Amazônica (Lira), do Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ). A iniciativa beneficia quatro Unidades de Conservação localizadas nas calhas dos rios Madeira e Purus (FLOTA Tapauá, RDS Igapó Açu, RDS Rio Amapá e Resex Ituxi) e envolve seis associações comunitárias em ações de formação de lideranças consolidação de cadeias produtivas sustentáveis, monitoramento e desenvolvimento regional.

Um dos objetivos da iniciativa é buscar a sustentabilidade financeira das Áreas Protegidas por meio de mecanismos previstos na legislação, incentivando o desenvolvimento sustentável e a geração de renda para as comunidades.

Além das associações locais, a iniciativa conta com a parceria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/AM+) e da ONG Casa do Rio. O LIRA é apoiado por recursos do Fundo Amazônia e Fundação Gordon e Betty Moore. Para o desenvolvimento dos projetos socioambientais, o IPÊ conta com parceiros de diversos setores e trabalha como articulador em frentes que promovem o engajamento e o fortalecimento mútuo entre organizações socioambientais, iniciativa privada e instituições governamentais. Para saber mais, acesse lira.ipe.org.br.

WordPress Lightbox Plugin