DOE AGORA

Pearl Jam compensa emissões de turnê brasileira na RDS do Uatumã

Pearl Jam compensa emissões de turnê brasileira na RDS do Uatumã

Com informações do Pearl Jam

 

Desde 2003, a banda norte-americana Pearl Jam dedica parte de seus lucros para ações de compensação de CO2 decorrente de suas turnês pelo mundo. Em 2018, uma nova parceria da banda com a Conservação Internacional escolheu o Idesam para compensar, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã, 2.500 toneladas de dióxido de carbono (CO2) geradas durante as apresentações no Rio de Janeiro e São Paulo.

O carbono calculado é referente ao transporte aéreo e terrestre dos integrantes da banda e equipe, das estadias em hoteis, bem como a pegada de carbono gerada pelos fãs que participarão dos shows.

“É importante para nós reconhecer o impacto ambiental de nossas turnês e fazer o que estiver em nosso alcance para mitigá-las”, disse Stone Gossard, guitarrista do Pearl Jam, no site oficial da banda.

Seguindo a linha de trabalho do Programa Carbono Neutro Idesam, a compensação será feita por meio do plantio de novas árvores em sistemas agroflorestais na RDS do Uatumã. O investimento beneficiará 27 famílias da reserva, gerando empregos em todas as fases da compensação, desde a coleta de sementes, passando pela produção, plantio, até o acompanhamento das árvores.

“A iniciativa é importante porque ajuda a compensar o CO2 que emitiremos em nossas turnês no Brasil, ao mesmo tempo em que ajudamos a proporcionar oportunidades de emprego e segurança alimentar para comunidades locais”, completa Gossard.

Para Pedro Soares, gerente de Mudanças Climáticas do Idesam, a parceria com uma banda como o Pearl Jam é extremamente valiosa para que mais pessoas entendam a importância de ações de combate às mudanças climáticas. “O debate sobre mudanças climáticas ainda é distante do dia a dia das pessoas. Esperamos que essa oportunidade ajude a disseminar um sentimento de responsabilidade com o planeta”, afirma.

​”Estamos entusiasmados em estabelecer mais esta parceria com o Pearl Jam para proteger a Amazônia e espalhar a mensagem da importância de sua floresta para além das suas fronteiras”, afirma Rodrigo Medeiros, vice-presidente da Conservação Internacional.

                                                                           

Sobre o Programa Carbono Neutro

O Programa Carbono Neutro (PCN) é uma iniciativa que busca conectar os grandes centros urbanos às florestas, permitindo que pessoas, empresas e iniciativas compensem seus impactos ambientais.

Através do plantio de Sistemas Agroflorestais (SAFs) na RDS do Uatumã, o PCN apoia a recuperação de áreas que foram degradadas por práticas convencionais de agricultura.

O modelo de cultivo adotado nos plantios, que se baseia na associação entre espécies florestais e agrícolas, contribui para gerar uma alternativa de renda e promover a segurança alimentar para as famílias que moram na reserva.

 

Parceria de longa data

Desde 2000, o Pearl Jam e a Conservação Internacional são parceiros em iniciativas de mitigação de carbono. Em 2012, o Pearl Jam se tornou na banda carbono neutro do mundo. Em 2015, compensaram o CO2 produzido durante a turnê na América Latina e EUA, com investimentos no Projeto Alto Mayo, da Conservação Internacional no Peru, e no Projeto Floresta Amazônica de Valparaiso, da Fundação CarbonFundBrasil.

A compensação dos shows no Brasil, em 2018, faz parte de uma iniciativa chamada “Amazonia Live”, resultado de uma parceria entre Conservação Internacional, Ministério do Meio Ambiente, Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), Banco Mundial, Fundo Brasileiro de Biodiversidade (Funbio), Instituto Socioambiental (ISA) e Rock in Rio.

O Amazonia Live é uma iniciativa socioambiental do Rock in Rio, que pretende plantar 73 milhões de árvores em 30.000 hectares, até 2023. A iniciativa quer ajudar o Brasil a avançar em direção ao cumprimento de seu compromisso feito no Acordo de Paris, de restaurar 12 milhões de hectares até 2030. Mais informações: www.amazonialive.com.br​

WordPress Lightbox Plugin