DOE AGORA

Tecnologia abre nova perspectiva para a piscicultura na Amazônia

Tecnologia abre nova perspectiva para a piscicultura na Amazônia

Por Assessoria

Foto: Gigasus

Produção de peixes em tanques suspensos, com reaproveitamento de água e resíduos, é destaque no portfólio de investimentos em bioeconomia que despontam no Polo Industrial de Manaus

O pirarucu, maior peixe de água doce do planeta, capaz de atingir cerca de 3 metros e até 200 quilos, é um recurso da biodiversidade de elevado potencial econômico na Amazônia, com mercados que vão da carne, aplaudida por número crescente de chefs de cozinha, até o couro, atrativo para acessórios de luxo na moda. Atualmente, investimentos em tecnologias de ponta chegam com o propósito de superar entraves, garantir qualidade, valorizar o pescado e aumentar a escala no mercado, por meio da produção automatizada em cativeiro, com alta eficiência e redução de impactos ambientais. E um diferencial: a integração de negócios nos diversos elos da cadeia da piscicultura – do fornecimento de alevinos (filhotes) para recria nos tanques ao beneficiamento e venda aos clientes finais.

No centro das atenções está a plataforma Gigasus, inovação que nasceu a partir da expertise do pesquisador Esner Magalhães, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), agora em desenvolvimento como solução de negócio para a piscicultura na Amazônia, na expectativa de replicação no restante do País. O projeto, executado pelo Instituto Creathus, recebe aporte de investimento de empresas do Polo Industrial de Manaus, no âmbito do Programa Prioritário de Bioeconomia (PPBio), instituído pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). O mecanismo canaliza recursos para soluções de negócio nas cadeias produtivas da floresta, mobilizando para o setor investimentos obrigatórios previstos na Lei de Informática, em contrapartida pelos incentivos fiscais na Zona Franca.

“A integração entre tecnologia da informação (TI) e a bioeconomia permite escalonar produtos e serviços que promovem o desenvolvimento da Amazônia, passando a ser vista como fornecedora de soluções para o Brasil como um todo”, afirma Carlos Koury, diretor de inovação em bioeconomia do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), ONG que coordena o PPBio com a construção de pontes entre as universidades, instituições tecnológicas e startups e a demanda do setor industrial para investimentos em negócios inovadores. Após três anos, o programa contabiliza 26 projetos com aporte total de R$ 30 milhões por empresas investidoras em Manaus.

“A produção piscícola é uma vocação adormecida na Amazônia, apesar da importância como pauta do uso sustentável da região, seja pelo manejo dos recursos naturais ou sistemas de cultivo intensivo”, aponta Koury, para quem é essencial “trazer o potencial amazônico para a economia real”. Segundo dados da Associação Brasileira de Piscicultura, a produção nacional de peixe de cultivo cresceu 5,9% em 2020, com 802,9 mil toneladas. No entanto, a oferta de peixes nativos recuou 3,2%, sendo o Amazonas o quinto principal produtor. No total da piscicultura, a Região Norte constitui a terceira de maior produção, atrás do Sul e Nordeste.

A tecnologia embarcada em hardware e software possibilita avanços neste potencial. “A ideia é sermos a Apple da piscicultura no Amazonas”, ilustra Esner Magalhães, pesquisador do Departamento de Ciências Pesqueiras da Ufam e criador da Gigasus. Além do componente digital que faz o gerenciamento da fazenda e monitora diversos indicadores para garantia de eficiência, a inovação abrange os layouts de produção em estrutura de tanques circulares suspensos, de alta capacidade produtiva – conforme protótipo demonstrativo em fase final de testes próximo a Manaus.

De acordo com as pesquisas, em 1 hectare com tanques suspensos pode-se produzir mais do que em 5 hectares de lâmina d´água no sistema de piscicultura convencional, em viveiros escavados – produtividade estratégica para o ganho de escala empresarial, mesmo para sistemas de produção familiar.

O resultado se deve à maior eficiência no controle dos ciclos produtivos e ao adensamento da quantidade de animais, o que significa produzir mais com menos área, sem a necessidade de suprimir a vegetação de forma tão impactante pelo desmatamento, bem como menor uso de recursos hídricos e insumos e redução de impactos por resíduos. “Além da recirculação de água, os efluentes da piscicultura podem ser utilizados como fertilizante para nutrir a produção de hortaliças, citrus, macaxeira e outros, ampliando o espectro de soluções – atreladas à atividade – com potencial de negócio”, explica Magalhães.

Segundo o engenheiro de pesca, o objetivo é gerar negócios e promover práticas cada vez mais seguras sob o ponto de vista social e ambiental, aliando piscicultura de alta escala à conservação, com descarte-zero, dentro de uma modelagem que se encaixa no conceito de “bioeconomia circular”. Diante do atrativo dos peixes amazônicos, é crescente a demanda por rastreabilidade e segurança sanitária, com garantia de origem do produto, na expectativa de expansão em mercados como o europeu e americano.

O desafio, com a piscicultura, é dinamizar um mercado para além das limitações da produção extrativista, como no caso do pirarucu. No ambiente natural, a espécie – que, na década de 1990, chegou à beira da extinção – é fonte de renda em comunidades tradicionais ribeirinhas, com pesca em áreas autorizadas pelo órgão ambiental e regras de manejo visando a conservação dos estoques naturais. A atividade contribui na questão social e proteção ambiental, mas esbarra em entraves “que também devem ser enfrentados para alçar mercado juntos – tanto o pirarucu de manejo como o de cultivo”, afirma Koury. Ele destaca a importância do aumento do volume de produção de pirarucu regional suficiente para que novos mercados sejam estabelecidos.

Conexão de negócios

O caminho da piscicultura requer inteligência na gestão e redução de impactos ambientais, como o desmatamento, para o alcance de viabilidade. Junto ao aspecto econômico, o projeto da plataforma Gigasus, apoiado pelo Instituto Clima e Sociedade (iCS), contribui para a agenda do baixo carbono.

Sob o ponto de vista dos negócios, ao automatizar todas as etapas do processo produtivo, a tecnologia mantém os elos da cadeia conectados à demanda por soluções desde o fornecimento de matéria-prima até a fase final, com vendas pré-definidas que acompanham o calendário de crescimento do peixe. Além da produção de alevinos, com potencial de renda em comunidades ribeirinhas, uma das principais demandas gira em torno da ração adequada à recria do peixe – no caso do pirarucu, espécie carnívora, há alta demanda de proteína, que pode ser obtida de resíduos ou insumos da região.

“As cadeias produtivas da bioeconomia envolvem diversos elos e precisam de dois elementos básicos: tempo para maturar e demanda de mercado, além de todo o esforço dos atores”, ressalta Marivaldo Albuquerque, diretor operacional do Instituto Creathus, à frente da modelagem do Gigasus para interlocução com investidores e inteligência de mercado. Criado em 2019 para apoio ao desenvolvimento de produtos, serviços e negócios inovadores na Amazônia, a organização tem trabalhado junto a startups e demais atores do ecossistema de inovação para aumentar as parcerias e o nível de maturidade das indústrias, com arranjos compondo cadeias de produtos.

A piscicultura representa um eixo de diversificação dos investimentos das indústrias da Zona Franca de Manaus, para além das pesquisas tecnológicas com aplicações em eletroeletrônicos. “O diferencial está no hardware de custo competitivo e software para monitorar a produção de peixes, com permanente mitigação de riscos e impacto positivo para a região”, explica Albuquerque. O projeto do Gigasus estima comercializar 5 mil acessos à plataforma, em cinco anos, para planejamento da piscicultura na Amazônia e outras regiões brasileiras, com retorno para os investidores.

A expectativa é gerar indicadores para o desenvolvimento do setor como um todo, dentro de padrões mais produtivos e sustentáveis. Entre outras iniciativas, o projeto foi destaque na ExpoAmazônia Bio&TIC, feira internacional realizada de 30 de junho a 2 de julho, em Manaus.

A iniciativa foi promovida pelo Idesam, Associação do Polo Digital de Manaus, Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) e Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti) como um marco para a relação entre o setor industrial e o desenvolvimento sustentável da floresta.

Pela primeira vez, o tradicional evento de tecnologia incorporou a bieconomia na agenda, reunindo expositores e palestrantes para o debate acerca dos vetores econômicos relevantes para a diversificação e complementariedade da matriz econômica regional. As atividades abordaram um variado cardápio de temas – das oportunidades de negócios até chegar à biotecnologia de alto valor adicionado para a Amazônia às perspectivas da Zona Franca Digital e da Indústria 4.0.

WordPress Lightbox Plugin