Oficina estimula participação comunitária na revisão do Plano de Manejo de Anavilhanas

oficina-planejamento-participativo-anavilhanas-novo-airao-plano-de-manejo-foto-idesam-

Por Rogério Lima

No período de 9 a 11 de fevereiro, uma equipe do Idesam esteve em Novo Airão, município a 180 km de Manaus, coordenando a Oficina de Planejamento Participativo (OPP) do Parque Nacional de Anavilhanas. A oficina, considerada essencial no processo de construção do plano de manejo de uma Unidade de Conservação, teve como objetivo elaborar o “modelo conceitual” do parque e construir seu zoneamento. Tais ações foram subsidiadas com dados dos diagnósticos biológico e socioeconômico realizados anteriormente.

A oficina contou com a participação de diversos atores presentes no parque, conselheiros da unidade e representantes do turismo local. De acordo com Jessica Cancelli, gerente do Programa de Unidades de Conservação do Idesam, as informações dos diagnósticos existentes na região foram importantes para o processo. “As nossas ações foram subsidiadas com dados dos diagnósticos biológico e socioeconômico, coletados ao longo desses anos por instituições atuantes na região e instituições de ensino”, afirma ela.

Além disso, a construção do Diagnóstico de Uso Público do PARNA continua em progresso. “O diagnóstico fornecerá mais elementos para o ordenamento do turismo e visibilidade das possíveis atividades no parque”, diz Cancelli.

Um dos diferenciais do Plano de Manejo do Parque Nacional de Anavilhanas foi a metodologia de padrões abertos para conservação da biodiversidade, com a identificação de alvos de conservação que subsidiarão as estratégias de ação do parque.

Através da participação dos diversos atores do parque, os alvos de conservação foram pensados em conjunto. “Foi discutido o que devemos proteger, o porquê de proteger e como fazê-lo. Assim pensamos em estratégias para cada alvo do Parque Nacional de Anavilhanas”, explica.

Foi também através da participação de todos que se abriu um espaço de discussão sobre a pesca de subsistência na região. A discussão deve tomar rumo no Grupo de Trabalho de Pesca, em Novo Airão, contando com o envolvimento dos comunitários.

Posts relacionados

Deixe um comentário