Organizações internacionais assinam carta de apoio à inclusão do REDD+ na política climática da Califórnia

Rios voadores

No último dia 18 de julho, um grupo de corporações multinacionais, ONGs e lideranças indígenas lançou uma carta de apoio à inclusão do REDD na Política Climática do Estado da Califórnia, nos Estados Unidos.

Entre os signatários estão organizações como Disney, Pacific Gas Eletric, Fundação Skoll, Rainforest Alliance, Funbio, Idesam, Forest Trends e ECAM. Comunidades indígenas do Brasil, Colômbia e Kênia também assinaram o documento. Entre os brasileiros, estão os Paiter-Suruí, de Rondônia, responsáveis pelo primeiro projeto brasileiro certificado nos padrões internacionais VCS e CCB.

O apoio chega em um momento importante para o mecanismo de REDD+, uma vez que o Conselho de Recursos do Ar da Califórnia se prepara para avançar nas iniciativas internacionais de Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD+) dentro da política climática do estado americano.

O grupo de trabalho independente “REDD Offsets Working Group” também tem recomendando que o REDD+ Jurisdicional se torne um protocolo de mitigação aprovado dentro da regulamentação climática da Califórnia. Se aprovado, entidades reguladas teriam permissão de mitigar até 2% de suas obrigações de redução através de unidades de mitigação de REDD+ Jurisdicional até 2018 e 4% de suas obrigações após 2018.

Essas limitações asseguram que as entidades continuem diminuindo suas emissões na fonte ao mesmo tempo em que reconhecem a importância das florestas tropicais e uso sustentável da terra dentro da política climática.

“O uso da terra e das florestas é o maior desafio da mitigação climática. REDD+ é a chave e parte essencial da solução para a mitigação custo-efetiva da mudança climática e como tal não deve ser negligenciado”, afirma Anthony Hobley, presidente da Associação Climate Market & Investment – CMIA, que congrega os maiores fornecedores de investimentos em baixo carbono, como o banco Merrill Lynch, PwC, JP Morgan, KPMG, entre outros.

Florestas estão desaparecendo em uma taxa alarmante de 13 milhões de hectares por ano, contabilizando 15% no total de emissão anual de gases de efeito estufa. Especialistas em mudanças climáticas concordam que a estabilidade climática não pode ser atingida sem a conservação das florestas remanescentes. O REDD+ é uma das melhores soluções disponíveis para esse desafio complexo, mas passa por enormes dificuldades na Convenção do Clima.

“As florestas não podem esperar por um acordo internacional no âmbito da Convenção do Clima, que deve se arrastar pelos próximos 5 a 7 anos. A iniciativa da Califórnia, ainda que modesta em termos de volume de reduções de emissões, pode gerar importantes investimentos e lições aprendidas sobre REDD+ que posteriormente seriam integrados nos esforços internacionais”, afirma o pesquisador Mariano Cenamo, do Idesam.

A carta e a lista completa dos apoiadores estão disponíveis em www.coderedd.org/letter-of-support/. A carta de suporte da Associação Climate Market Investment – CMIA está disponível em http://www.cmia.net/Portals/0/CMIA_REDD.pdf.

Sobre o Code REDD

O Code REDD é uma organização sem fins lucraticos baseado na area da Baía de São Francisco, cuja missão é apoiar o mecanismo REDD+ para realizar seu potencial de emponderar pessoas, preserver florestas, reduzir emissões e proteger a vida selvagem.

Sobre a Associação Climate Markets and Investment (CMIA)

A CMIA é uma associação de mercado internacional que representa mais de 40 companhias que financiam, investem e fornecem apoio para projetos e atividades que reduzem emissões de gases de efeito estufa.

Posts relacionados