Please Wait...

Rondônia quer transformar redução de emissões por desmatamento em investimentos no Estado

content image
Rondônia quer transformar redução de emissões por desmatamento em investimentos no Estado

[:pt]Com mais de 11 milhões de hectares de florestas conservadas, Rondônia é um Estado crucial no debate sobre clima e florestas na Amazônia.

 

Por Comunicação Idesam

 

O Estado de Rondônia, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Ambiental (SEDAM), se aliou ao Idesam, a BVRio e a organizações locais por meio do Fórum Estadual de Mudanças Climáticas para estruturar a sua “Estratégia Operacional e Financeira de REDD+ (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação florestal). A Estratégia aponta que, até 2030, Rondônia poderá evitar a emissão de 156 MtCO2 de Gases de Efeito Estufa e com isso atrair o equivalente a U$ 780 milhões pelos esforços em conservação de florestas e fomento a cadeias produtivas sustentáveis, por meio do mecanismo do REDD+.

Eliezer de Oliveira, coordenador-técnico do tema na Sedam/RO, ressalta que o Estado estruturou a Estratégia de REDD+ no âmbito da já aprovada Política Estadual de Governança Climática e Serviços Ambientais (PGSA), “visando atrair uma nova leva de investimentos públicos e privados para estruturação de programas estratégicos para a redução do desmatamento e fomento a cadeias produtivas sustentáveis junto a produtores e comunidades locais no Estado de Rondônia”.

Pedro Soares, gerente do Programa de Mudanças Climáticas do IDESAM e coordenador da elaboração da estratégia estadual de REDD+, destaca que “os serviços ambientais são ativos importantes para viabilizar novos modelos econômicos e produtivos que mantenham a floresta em pé, enquanto geram renda e prosperidade para os diferentes atores que contribuem para conservação florestal”.

A construção da Estratégia de REDD+ ocorreu dentro do Programa de Governança Climática do Estado de Rondônia, com apoio de agências internacionais e coordenado pelo Instituto BVRio. Segundo Beto Mesquita, diretor de políticas e relações internacionais da BVRio, as florestas precisam ser encaradas como um vetor e não um entrave para o desenvolvimento. “Enxergamos grandes oportunidades para conectar os resultados de redução de desmatamento em Rondônia por meio do REDD+ aos mercados de carbono em construção dentro e fora do Brasil, o que poderá representar uma grande oportunidade para o desenvolvimento socioeconômico do Estado”, destaca Mesquita.

Com a estratégia criada e as reduções de emissões devidamente apuradas, o próximo passo é conectar os resultados estaduais de REDD+ com investimentos oriundos de empresas, governos subnacionais, sistemas de pagamentos por resultados, como o Fundo Verde para o Clima, Programa “REDD+ for Early Movers”, e mercados de carbono, com o CORSIA e o Artigo 6 do Acordo de Paris.

Mais investimentos ambientais

O projeto de Governança Climática e Serviços Ambientais nasceu de uma parceria entre a Força Tarefa de Governadores para o Clima e Floresta (CGF), a agência de cooperação da Noruega (NORAD) e o PNUD, voltado a construir estratégias e políticas públicas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa resultantes do desmatamento e da degradação florestal, além de promover ações concretas para o desenvolvimento de atividades compatíveis com a manutenção das florestas.

Participam ainda da iniciativa a Ação Ecológica Guaporé (Ecoporé), o Centro de Estudos Rio Terra CES Rio Terra), Associação de Defesa Etnoambiental (Kanindé) e o Pacto das Águas.[:en]With over 11 million hectares of conserved forest, Rondônia is crucial in the debate on climate and forests in the Amazon.

 

By Idesam

Translated by Felipe Sá

 

The state of Rondônia, through its Secretariat of Environmental Development (SEDAM), partnered with Idesam, BVRio and local organizations through the State Forum on Climate Change to structure its REDD+ (Reducing Emissions from Deforestation and Forest Degradation) Operational and Financial Strategy. The Strategy indicates that by 2030, Rondônia will be able to avoid the emission of 156 MtCO2e and thus attract the equivalent of US$ 780 million for forest conservation efforts and the promotion of sustainable production chains through the REDD+ mechanism.

Eliezer de Oliveira, technical coordinator of the topic at SEDAM (RO), points out that the state has structured the REDD+ Strategy within the scope of the already approved State Policy on Climate Governance and Environmental Services (PGSA), “aiming at attracting a new wave of public and private investments for the structuring of strategic programs for the reduction of deforestation and the promotion of sustainable production chains with producers and local communities in the state of Rondônia”.

Pedro Soares, manager of IDESAM’s Climate Change Program and coordinator of the development of the state’s REDD+ strategy, highlights that “environmental services are important assets to enable new economic and productive models that keep the forest standing while generating income and prosperity for the different stakeholders that contribute to forest conservation”.

The construction of the REDD+ Strategy took place within the Rondônia State Climate Governance Program, with support from international agencies and coordinated by the BVRio Institute. According to Beto Mesquita, BVRio’s director of policies and international relations, forests need to be seen as a driver and not an obstacle to development. “We see great opportunities to connect the results of deforestation reduction in Rondônia through REDD+ to the carbon markets under construction inside and outside Brazil, which may represent a great opportunity for the socioeconomic development of the state”, highlights Mesquita.

With the strategy in place and the emissions reductions properly tracked, the next step is to connect state REDD+ results with investments from companies, sub-national governments, payment for results systems such as the Green Climate Fund, REDD+ for Early Movers, and carbon markets enabled by CORSIA and Article 6 of the Paris Agreement.

More environmental investments

The Climate Governance and Environmental Services project was born from a partnership between the Governors’ Climate and Forests Task Force (GCF TF), the Norwegian Cooperation Agency (NORAD) and the UNDP, aimed at building strategies and public policies to reduce greenhouse gas emissions resulting from deforestation and forest degradation, in addition to promoting concrete actions for the development of activities compatible with forest maintenance.

The Ecological Action Guaporé (Ecoporé), the Center for Studies Rio Terra (CES Rio Terra), the Ethno-environmental Defense Association (Kanindé) and the Water Pact are also taking part in the initiative.[:]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *