Turma de 2020 do Programa de Aceleração da PPA inicia sua jornada

content image
Turma de 2020 do Programa de Aceleração da PPA inicia sua jornada

[:pt]Uma das particularidades do Programa de Aceleração da PPA é a customização a partir das necessidades dos próprios negócios acelerados

 

Por Comunicação PPA
Fotos: Henrique Saunier

 

Manaus – Reunidos durante cinco dias (17 a 21/2), integrantes dos 15 negócios selecionados para a nova turma do Programa de Aceleração da Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA) participaram de uma oficina de modelagem de negócios e construção de indicadores. Nos três primeiros dias, o workshop inaugural integrou as empresas em uma imersão no meio da floresta amazônica, com o objetivo de apoiá-las na construção e no aprimoramento de modelos de negócio e indicadores de resultado de seus impactos.

Em 2020, o grupo que participa do Programa de Aceleração da PPA é composto por negócios que trazem soluções em agricultura e pecuária sustentável, manejo e produção florestal, produtos e serviços ambientais, educação para conservação do meio ambiente, mitigação e adaptação às mudanças climáticas, entre outros. Três cooperativas extrativistas integram a turma, o que proporcionou também trocas bastante construtivas entre elas desde o primeiro dia.

O encontro foi facilitado pela Sense-Lab e Move Social, parceiros do Programa e idealizadores do Modelo C, e também pela Maniê, consultoria que apoia o desenvolvimento de pessoas e organizações que buscam gerar impacto positivo. O resultado desta primeira oficina foi a realização de uma modelagem com base no modelo C de cada negócio, uma matriz de indicadores elaborada a partir dessa modelagem e um plano de ação que guiará toda a jornada do Programa.

“Tínhamos que ter um treinamento desses antes de sermos empreendedoras, porque erramos muito. A vontade de ser empreendedora e a necessidade são maiores do que o conhecimento que a gente tem para isso. Logo no primeiro dia do workshop a gente já ‘bateu’ realmente na ferida, olhando para onde estão os nossos problemas, onde precisamos melhorar, para a nossa organização mesmo. E estar junto com outras cooperativas está nos ajudando a pensar problemas comuns”, avalia Hélia Félix, da Cacauway, empreendimento da Cooperativa Agroindustrial da Transamazônica, localizada em Medicilândia, no Pará, que fabrica chocolate a partir do cacau extraído pelo grupo.

 

Hélia Félix, da Cacauway, com o Modelo C construído durante o workshop

 

Uma das particularidades do Programa de Aceleração da PPA é a customização a partir das necessidades dos próprios negócios acelerados. O Programa tem seis meses de duração, e inclui ainda mentorias individuais, assessoria jurídica, contábil e de marca, bolsas para participação de eventos e cursos.

“São negócios e empreendedores que têm potencial para transformar a economia da região, cada um na sua área, em sua especialidade. E a construção dos modelos de negócio e das Teorias de Mudança de cada um deles nos permitiu avaliar em profundidade o impacto que cada um quer gerar e construir também os indicadores que irão avaliar o crescimento desses negócios”, avalia Mariano Cenamo, diretor de novos negócios do Idesam, instituição implementadora do Programa de Aceleração da PPA.

“Outro ponto a destacar é que, com a Teoria de Mudança e a matriz de indicadores construídos ao longo desses dias, já sabemos quais os principais itens a serem mensurados nas próximas etapas do programa, em termos de mudança, de impacto e de resultados”, completa a coordenadora do programa, Ana Carolina Bastida.

 

Imersão proporcionou conexão entre os empreendedores

O primeiro workshop de 2020 durou cinco dias, em três dos quais os empreendedores ficaram imersos em um hotel de selva sem conexão com internet. Nesse período, o grupo trabalhou intensamente o Modelo C, ao mesmo tempo em que estabeleceu laços mais aprofundados, encontrando similaridades nos desafios de seus negócios e possibilidades de cooperação.

Dos 15 negócios participantes, seis estão localizados no Estado do Amazonas, quatro no Pará, dois em Mato Grosso, dois no Rio de Janeiro e um em Santa Catarina. Pela primeira vez, durante o processo de seleção dos negócios, o Programa de Aceleração abriu a possibilidade de inscrição para empresas sediadas em outras regiões do país, desde que estivessem dispostas a abrir endereço na região Norte em até seis meses após o início do Programa.

“A gente conhece tão bem o nosso projeto, sabe falar sobre ele, mas quando temos que colocar no papel temos um pouco de dificuldade. Com esse workshop, a gente conseguiu, e vimos como o nosso projeto é bonito, causa mesmo impacto. Isso nos dá uma visão ampliada do nosso negócio, e está abrindo a minha mente para muitas coisas”, diz Adriano Lima, da Prátika Engenharia, negócio que leva energia solar a comunidades indígenas e quilombolas isoladas da Calha Norte do estado do Pará.

 

Sobre o Programa de Aceleração e a PPA

O Programa de Aceleração da PPA se destaca por estar 100% dedicado ao empreendedor que atua na floresta Amazônica, às suas demandas e realidades regionais. Além do processo de incubação e aceleração dos negócios, o programa oferece oportunidades de investimento, cooperação, networking e a criação de uma comunidade de negócios sustentáveis interconectados.

É liderado por um grupo de empresas da PPA, coordenado pelo Idesam e conta com apoio estratégico e financeiro da USAID, CIAT, Instituto Humanize e Fundo Vale.

A PPA (Plataforma Parceiros pela Amazônia) é uma plataforma de ação coletiva, liderada pelo setor privado, que busca a construção de soluções inovadoras, tangíveis e práticas para o desenvolvimento sustentável, conservação da biodiversidade, florestas e recursos naturais da Amazônia. Atua por meio de quatro grupos temáticos (GTs): (1) Empreendedorismo, investimento de impacto e aceleração de negócios sustentáveis; (2) Oportunidades estratégicas de investimento, com base em incentivos fiscais e bioeconomia; (3) Fortalecimento de cadeias de valor Amazônicas e compras locais; (4) Fortalecimento de relações entre comunidades e empresas com base em gestão territorial integrada e Usos Socioambientais de Reservas Privadas. O Programa de Aceleração integra o GT1.

>> Conheça todos os negócios acelerados em 2020[:]