(Português do Brasil) Negócios de impacto amazônicos ganham aceleradora

acelerappa

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Publicado em 01/03/2019, por Revista Página 22

Por Mônica Ribeiro

A Plataforma Parceiros pela Amazônia acaba de lançar um programa de aceleração voltado a startupsamazônicas. Quinze empreendimentos participam dessa primeira edição 

Na Amazônia, cada vez mais surgem iniciativas de inclusão de comunidades ribeirinhas, indígenas, quilombolas e agricultores familiares em processos produtivos e novos mercados. Esses negócios trazem a possibilidade de alavancar uma nova economia na região, contrária ao desmatamento e às atividades predatórias e valorizando a sociobiodiversidade.

Ciente desse quadro, a Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA) deu início, em fevereiro, a um Programa de Aceleração voltado a startups amazônicas. Participam dessa primeira edição do Programa 15 empreendimentos, selecionados em meio a 81 inscritos em uma Chamada de Negócios realizada em 2018. A iniciativa inclui a realização de oficinas, workshops, mentorias, assessoria jurídica e contábil, bolsas de estudo e a viabilização de espaços de coworking para as startups e empreendedores selecionados em seu portfólio.

A primeira atividade realizada foi a Oficina de Inovação em Modelos de Negócios e Construção de Indicadores de Impacto, que apresentou o Modelo C aos empreendedores participantes do Programa, estimulando cada um deles a trabalhar ao mesmo tempo no desenho dos negócios e da cadeia de gestão de impacto, integradamente.

Em grupo, os empreendedores avançaram na modelagem individual de seus negócios, ao mesmo tempo em que interagiram entre si em eventuais dúvidas e similaridades. O Modelo C foi desenvolvido pelo Sense-Lab e pela Move Social, com apoio do Instituto de Cidadania Empresarial (ICE) e da Fundação Grupo Boticário.

Para Andreas Ufer, do Sense-Lab, o chamado de trabalhar com a aceleração desses negócios adotando o Modelo C desde o início do processo contribui para a qualidade do Programa ao longo do ano, ao mesmo tempo em que também ajuda a validar a própria ferramenta. “O potencial disso é muito grande, em duas direções. Primeiro, no sentido de construir uma alternativa robusta para a Amazônia, e segundo, como essa visão pode contaminar o resto do movimento de negócios de impacto. E tem também uma visão diferente para nós, porque a Amazônia tem um contexto diverso, temos aqui um aprendizado de como lidar com tudo isso”.

O Programa, coordenado pelo Instituto de Conservação e Desenvolvimento da Amazônia (Idesam) com apoio da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid) e do Centro Internacional de Agricultura Tropical (Ciat) e parceria de diversas outras instituições, vai ajudar os negócios a alcançarem novos estágios de desenvolvimento, contribuindo para ampliar sua capacidade de gerar impacto socioambiental positivo na Amazônia.

Essas 15 startups, localizadas em municípios nos estados do Amazonas e do Pará, iniciaram também conexões e trocas que podem proporcionar novas oportunidades de negócios. Embora o grupo participante dessa primeira edição do Programa de Aceleração da PPA tenha perfis diversos, tem também a consciência de sua força como uma espécie de showcase capaz de inspirar iniciativas semelhantes, catapultando uma nova economia para a região.

“É a primeira vez que um grupo tão forte de empreendedores e startups se reúne para resolver problemas socioambientais da Amazônia a partir de seus próprios negócios. A solução para o desmatamento da floresta passa pelo desenvolvimento de soluções inovadoras para a economia da região. A Amazônia precisa de uma nova economia. E essa economia começa agora”, diz Mariano Cenamo, co-fundador do Idesam e coordenador executivo da PPA.

As startups amazônicas e a PPA

Os negócios selecionados para participar do Programa ao longo de 2019 oferecem soluções sustentáveis para questões sociais e/ou ambientais, em áreas diversas como gastronomia, resíduos sólidos, piscicultura, meliponicultura, artesanato, agricultura, extrativismo e robótica.

Os formatos e os estágios de evolução são variados. Microempreendedores individuais, sociedades limitadas e cooperativas estarão juntos ao longo do ano, trocando experiências no avanço de seus empreendimentos.

Os 15 participantes do Programa são: Da Tribu, 100% Amazônia, Awí Amazon Fruits, Broto Tecnologia Agrícola, Coopmel, Chocolates De Mendes, Ecopainéis de Fibra de Açaí, Encauchados de Vegetais da Amazônia, Tipiti, Manaos Tech, Onisafra, Sustente Ecosoluções, Ração Mais, Peabiru e Manioca. Grande parte deles trabalha com comunidades de agricultores familiares, extrativistas, ribeirinhos e indígenas em suas cadeias produtivas. Outros, produzem impactos ambientais nas áreas de resíduos sólidos, com reaproveitamento de caroços e sementes de frutos e resíduos orgânicos.

O movimento de apoio aos negócios de impacto amazônicos vem sendo fomentado pela Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA), que reúne empresas e parceiros que atuam no sentido de buscar novos modelos de desenvolvimento não predatórios para a Amazônia.

Desde sua criação, em dezembro de 2017, a PPA realizou uma Chamada de Negócios de Impacto e o 1º Fórum de Investimento de Impacto e Negócios Sustentáveis, ambos em 2018. Investiu mais de um R$ 1 milhão em algumas das startups que iniciam agora o Programa de Aceleração e desenvolveu, junto com parceiros estratégicos, dois estudos voltados a identificar novas oportunidades e caminhos para o investimento sustentável e de impacto na Amazônia. Uma segunda Chamada de Negócios deve ser realizada em breve.

Related Posts

Leave a comment