Práticas agroecológicas trazem bons resultados em comunidades indígenas do Amazonas

content image
Práticas agroecológicas trazem bons resultados em comunidades indígenas do Amazonas

Por Rogério Lima

As atividades do Projeto SAF Indígena chegam ao final de sua implantação com resultados positivos para agricultores e produtores de alimentos na região do Alto Rio Negro, no Amazonas. Pioneiro na região, o projeto visa fortalecer a economia da produção agrícola e promover a soberania alimentar de comunidades do município de São Gabriel da Cachoeira, no extremo norte do Estado.

A iniciativa faz parte de outro projeto maior, denominado Agricultura Indígena e encabeçado pela Secretaria de Estado da Produção Rural do Amazonas (Sepror). Em São Gabriel da Cachoeira, além do apoio do Idesam, as ações também contaram com a parceria da Federação das Organizações Indígenas do Alto Rio Negro (Foirn).

Ao todo, foram implantadas duas Unidades Demonstrativas de SAFs, dois bancos de sementes tradicionais e dois viveiros – sendo o primeiro de mudas florestais e medicinais e o segundo de variedades tradicionais. O projeto foi dividido em etapas e teve a sua última concluída no final do mês de novembro, quando uma equipe de técnicos do Idesam monitorou as áreas plantadas e produziu um estudo de potencial econômico dos sistemas ali desenvolvidos.

Estevan Garcia Martins, da etnia Kubeo, foi um dos produtores que melhor tiveram resultado com o plantio de milho crioulo. Através do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas – IDAM, foi articulada a venda de 800 espigas de milho para o Programa de Aquisição de Alimentos – PAA.

Segundo Ramom Morato, pesquisador responsável pelo projeto, o diálogo estabelecido com as comunidades indígenas foi essencial para o sucesso do projeto. A equipe foi convidada para participar do Conselho da Roça, grupo que tem como objetivo orientar políticas públicas aos comunitários. “Encaramos que o Idesam participou de um momento único de mudanças, onde foram levantadas demandas por lideranças e agentes locais”, disse ele.

Nas etapas iniciais do projeto, foram implantadas Unidades Demonstrativas de Sistemas Agroflorestais em duas comunidades: Itacoatiara-Mirim e Ilha do Duraka. O monitoramento realizado nessas unidades revelou êxito das espécies plantadas nas UDs e aceitação do trabalho pelas comunidades. “No intuito de melhorar a qualidade de vida das comunidades indígenas, é preciso fortalecer os elos entre a agricultura local e as políticas já existentes”, conclui Morato.

SAFs são economicamente viáveis

Embora as UDs não tenham sido implantadas com objetivo comercial, o estudo econômico realizado nessa etapa do projeto revelou a implantação de SAFs é economicamente viável para as comunidades indígenas. A projeção, de dez anos de produção, mostra que o custo médio de implantação desses sistemas é de R$ 1.657,82, com mão de obra familiar inclusa.

Quanto ao potencial de produção, foram plantadas cinco culturas frutíferas de ciclo longo e nove culturas agrícolas. Estima-se que, ao final de dez anos, o volume total de produção da comunidade de Itacoatiara-Mirim é de 8 toneladas e 14 toneladas na de Ilha de Duraka.

PAA – O Programa Nacional de Aquisição de Alimentos é um instrumento de política publica já existente e atuante na região, seu objetivo é garantir o acesso a alimentos em quantidade e qualidade às populações em situações de insegurança alimentar e nutricional e promover a inclusão social no campo por meio do fortalecimento da agricultura familiar.