(Português do Brasil) Com novo visual, Carbono Neutro busca novos parceiros para reflorestar a Amazônia

marca-pcn-media

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Por Henrique Saunier

 

O programa de compensação de emissão de gases de efeito estufa Carbono Neutro Idesam está de cara nova e uma das principais novidades para 2018 é a repaginada visual dada à marca. Com uma linguagem moderna, a recém-lançada identidade visual conversa com a proposta de conservação e desenvolvimento sustentável da Amazônia, cuja meta é promover o plantio de mais de 10 mil árvores no próximo ano.

A ideia por trás da criação é mostrar como o Design, por meio de seus recursos visuais, pode agregar cada vez mais interessados em contribuir com o reflorestamento de áreas degradadas.

Para a engenheira florestal Isabele Goulart, do Programa Carbono Neutro (PCN), a repaginada vem ao encontro do desejo de fortalecer a imagem do programa, aliado às ações de divulgação dos resultados para prospectar mais clientes. “(Queremos) aumentar nossa rede de contatos e buscar novas parcerias que nos ajudem a fortalecer essa cadeia de restauração através da neutralização de emissões”, afirma Goulart.

Responsável por desenvolver a nova identidade, a designer Ana Medeiros ressalta que a tipografia da logo e a paleta de cores foram elaboradas para trazer mais personalidade ao programa.

“O objetivo da nova marca do Programa Carbono Neutro (PCN) é trazer a modernidade que já estava presente nos selos de neutralização, criando uma unicidade e fortalecendo ainda mais a identidade visual do programa”, explica Medeiros.

O consumo de energia elétrica, viagens aéreas, transporte terrestre ou fluvial e hospedagens estão entre as atividades que podem ser carboneutralizadas pelo PCN.

O programa está aberto a empresas, eventos e pessoas que queiram compensar suas emissões de gases nocivos ao meio ambiente, por meio de plantios que seguem o modelo de “sistemas agroflorestais”, com geração de renda e segurança alimentar para as famílias ribeirinhas dos locais onde o programa atua.

Related Posts

Leave a comment