Oportunidade para negócios de impacto na Amazônia

content image
Oportunidade para negócios de impacto na Amazônia

Por Mariano Cenamo, Diretor de novos negócios do Idesam

Publicado originalmente na Folha de São Paulo

A Amazônia não é só um tesouro de biodiversidade. É também a maior oportunidade para o Brasil se destacar (negativa e positivamente) na economia global pelos próximos dez anos. Existe uma revolução em curso, impulsionada pelo surgimento e proliferação de uma nova geração de empreendedores e negócios de impacto que tem por objetivo resolver os problemas sociais e ambientais do planeta (e ainda lucrar fazendo isso).

Na região amazônica, empreendimentos que trazem benefícios para as comunidades locais e ainda ajudam a manter a floresta em pé já estão na mira de investidores. Há 16 anos, quando nós do Idesam (Instituto de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia) iniciamos nossa trajetória, o cenário era completamente diferente.

Hoje, a Amazônia está no centro do mundo. Está ficando claro que o aumento do desmatamento não interessa aos negócios e à economia brasileira. Hoje há um crescente interesse de investidores por empreendimentos com visão de risco-retorno-impacto a longo prazo, preocupados com futuro climático do planeta.

Eles também sabem que aplicar recursos na maior floresta tropical do mundo é diferente de outros lugares do Brasil. É necessário alavancar uma economia verde, ou de baixo carbono, para gerar muito mais que os míseros 8% de participação no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

Na entrevista de Fersen Lambranho, presidente do Conselho de Administração da GP Investments, ele afirma que meio ambiente é um grande filão ainda pouco explorado pelas startups brasileiras. Compartilhamos da mesma visão: a Amazônia é o Vale do Silício do Brasil das nossas próximas gerações.

O Idesam apoia negócios inovadores através do Programa de Aceleração da PPA (Plataforma Parceiros pela Amazônia). Criado em 2018 e destinado totalmente a fomentar negócios e startups da região, atende às demandas e realidades locais.

Além do processo de incubação e aceleração, oferecemos oportunidades de investimento, cooperação, mentorias e networking com o ecossistema de negócios de impacto da região para potencializar suas ações. A Manioca, por exemplo, uma empresa fundada em 2014 em Belém, não sabia que sua indústria de geleias, farinhas e temperos era um negócio de impacto.

Após participar do PPA, Joanna Martins, proprietária da Manioca, descobriu novas opções de incentivos para empreendimentos dessa natureza. Mudou a visão do seu modelo de negócio e já negocia com um fundo de investimentos internacional de private equity. O portfólio atual do PPA conta com 30 negócios acelerados, dos quais 12 startups receberam investimentos que somam quase R$ 6 milhões.

Empreendimentos Inovadores), uma das cinco melhores aceleradoras de impacto do Brasil. Também está em segundo lugar na Chamada Soluções Inovadoras para o Desenvolvimento Sustentável, que selecionou as melhores iniciativas da América Latina que contribuem para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Organizações das Nações Unidas (ONU).

A meta do PPA é estruturar um fundo de aceleração de negócios e investir em mais 30 startups nos próximos cinco anos para garantir a conservação de cinco milhões de hectares e beneficiar mais cinco mil famílias. Para atingir o objetivo, o Idesam está levantando investimentos da ordem de R$ 25 milhões para o programa.

Mesmo com desafios de infraestrutura, informalidade, comunicação e criminalidade, precisamos explorar as “brechas” ou vantagens que podem trazer imensa competitividade para o ambiente de negócios inovadores na Amazônia.

O aumento do desmatamento não interessa ao Brasil. Ao comprar produtos da floresta, podemos colaborar com a criação de uma nova economia e com a manutenção dos serviços ambientais que a maior floresta tropical dá ao mundo todo.

Com o PPA, programas como o PPBio e outras iniciativas como os óleos Inatú e o Café Apuí, nosso sonho é chegar em 2030 com os negócios da floresta encabeçando a recuperação econômica da região e respondendo por uma fatia significativa do PIB regional. Será o “green new deal” amazônico.

 

Relacionados