Parceria em concurso internacional busca promover iniciativas sustentáveis na moda

content image
Parceria em concurso internacional busca promover iniciativas sustentáveis na moda

[:pt]O Idesam é uma das ONGs parceiras na divulgação do Sustainable Fashion Awards (SFA) e poderá receber um apoio financeiro para investir em projetos ambientais.

Por Henrique Saunier

 

Aberto a estilistas e marcas (emergentes ou profissionais) de qualquer país, o Sustainable Fashion Awards (SFA) vai oferecer um prêmio de US$ 6 mil a projetos sustentáveis no segmento de moda. A iniciativa vencedora escolherá uma das ONGs parceiras do prêmio – dentre elas o Idesam – para dividir a premiação.

Para ser elegível a concorrer no concurso, o projeto – que pode ser desde uma peça de roupa a coleções inteiras – precisa contar com ações sustentáveis, como peças feitas à mão, produção local, desenvolvimento de comércio equitativo, design inteligente, zero desperdício de tecidos e proteção ao bem-estar animal. Outros fatores como a utilização de materiais orgânicos, reciclados ou transformados e a avaliação de todo o ciclo de vida dos produtos também serão levados em consideração pelo júri especializado.

Uma das criadoras do prêmio, Ceres Yohanna acredita ser importante reconhecer o trabalho que vem sendo desenvolvido por ONGs, marcas, profissionais e pessoas anônimas ao redor do mundo.

“É visível a força que as práticas sustentáveis vem ganhando no mundo todo, principalmente no mercado da moda. Mas acredito que a moda sustentável ainda tem um grande caminho para percorrer. As pessoas precisam primeiro entender a importância e os benefícios  da compra de peças que estabelecem processos éticos em sua produção, para só depois adquirir o hábito e gosto por esse nicho”, ressalta Yohanna.

Para Yohanna, a reflexão sobre temas ambientais proposta pelo SFA também envolve a prática de utilização de insumos da floresta e a produção comunitária. “Quando se fala em sustentabilidade na moda, nos referimos a todos os processos envolvidos na produção de cada peça. Remuneração justa, o uso de materiais orgânicos ou reciclados e proteção animal são elementos fundamentais para que a moda seja considerada de fato sustentável”, reforça.

Após o término das inscrições, o Mucca (plataforma de vendas online detentora da marca Jak&Jil) irá analisar todos os projetos enviados para selecionar os que forneceram todo o material exigido e são elegíveis como sustentáveis. Passada a seleção inicial, um comitê internacional de jurados irá avaliar os projetos, atribuindo notas de 0 a 10 aos critérios de design, qualidade técnica, sustentabilidade e inovação.

 

Moda consciente

A aproximação do Idesam com iniciativas de moda sustentável não é novidade. Em 2012, o Idesam convidou o estilista Dudu Bertholini para uma expedição ao Uatumã, a fim de buscar oportunidades de parcerias e geração de renda para as comunidades. Em 2016, foi a vez de uma parceria com  Chiara Gadaleta, criadora do Ecoera, o que resultou no projeto Trançados do Uatumã.

Através do Programa Carbono Neutro, o Idesam também fez a compensação de uma linha de bolsas da marca La Loba, que trabalha com produção vegana e, agora, CO2 Neutro.

“A indústria da moda, que sempre esteve associada ao consumo, está cada vez mais assumindo a responsabilidade em promover alternativas sustentáveis, que optem por materiais e processos ambientalmente corretos. Ficamos felizes em apoiar esse tipo de projeto e, dessa forma, contribuir com a promoção do consumo consciente nessa categoria”, afirma Samuel Simões Neto, coordenador de Comunicação do Idesam.

Informações adicionais podem ser encontradas no site oficial da premiação jakandjil.com.br/sfa2018 ou pelo e-mail sfa@jakandjil.com. As inscrições vão até 31 de agosto de 2018 e são totalmente gratuitas; o anúncio do projeto vencedor será feito em outubro de 2018.[:en]Idesam is one of the NGOs partners in the promotion of Sustainable Fashion Awards (SFA) and can receive financial support to invest in environmental projects.

 

By Henrique Saunier
Translated by Fernanda Barbosa and Felipe Sá

 

Open to stylists and brands (on the rise or already professional) of any country, Sustainable Fashion Awards (SFA) will offer a US$ 6K award to sustainable projects in the fashion segment. The winner will choose one of the award’s partner NGOs – among them, Idesam – to share the prize.

To be eligible, the Project – which range from a garment or an entire collection – need to count on sustainable actions, like handmade pieces, local production, fair trade development, intelligent design, zero fabric waste and animal welfare. Other factors, such as the use of organic, recycled or processed materials and the evaluation of the product’s life cycle will also be taken into consideration by the specialized jury.

One of the awards creators, Ceres Yohanna, believes that it is important to recognize the work that has been carried out by NGOs, brands, professionals and anonymous people around the world.

“The strength that sustainable practices have been gaining around the globe is visible, especially in the fashion market. But I believe that sustainable fashion still has a great way to go. People need to first understand the importance and benefits of buying pieces that stablish ethical processes in its production, only then to acquire the habit and taste for that niche”, highlights Yohanna.

For Yohanna, the reflection on environmental issues proposed by SFA also includes the practice of using forest inputs and community production. “When we talk about sustainability in fashion, we refer to all the processes involved in the production of each piece. Fair remuneration, use of organic or recycled materials and animal protection are fundamental elements in order to make fashion considered as sustainable”, reinforces.

After the end of registration period, Mucca (online sales platform that owns Jack & Jill) will review all the projects that were sent to select those that provided all the requested material and, therefore, are eligible as sustainable. After the initial selection, an international committee will evaluate the projects, assigning grades from 0 to 10 to the following criteria: design, technical quality, sustainability and innovation.

 

Sustainable Fashion

The approximation of Idesam with sustainable fashion initiatives is no news. In 2012, Idesam invited the stylist Dudu Bertholini to an expedition to Uatumã, in order to find partnerships and income generation opportunities to the communities. In 2016, the partnership was made with Chiara Gadaleta, Ecoera’s creator, what ended up becoming the project “Trançados do Uatumã” (Braids from Uatumã, free translation).

Through the Carbon Neutral Program, Idesam also compensated the emissions of La Loba’s line of bags – a brand that works with vegan production -, now Neutral CO2.

“The fashion industry, which has always been associated to consumption, is increasingly taking the responsibility to promote sustainable alternatives that opt for correct materials and environmental processes. We are glad to support this kind of project and, this way, to contribute to the promotion of a conscious consumption in this category”, states Samuel Simões Neto, Communications coordinator at Idesam.

Additional information can be found on the award’s official website jakandjil.com.br/sfa2018 or through e-mail sfa@jakandjil.com. Applications are open until August 31st 2018 and are entirely free; the announcement of the winning project will be made in October 2018.[:]