Idesam seleciona empresa para desenvolver identidade visual de produtos da floresta

IMG_7092-2

Empresa irá produzir marcas e logos de produtos apoiados pelo projeto Cidades Florestais

 

Por Comunicação Idesam
Foto: Henrique Saunier

 

Empresas de design e comunicação visual já podem enviar suas propostas para prestação de serviços ao projeto Cidades Florestais, até o próximo dia 19 de abril (sexta-feira). Financiado pelo Fundo Amazônia/BNDES, o projeto visa fomentar a economia florestal nos municípios do Amazonas e está em busca de companhias para desenvolver a identidade visual dos produtos apoiados pela iniciativa.

Um dos requisitos exigidos pelo processo de seleção é possuir experiência comprovada na produção de logomarcas e identidade visual, informações que devem constar no portfólio enviado por e-mail disponível no Termo de Referência (TDR) da vaga.

Ao todo, a empresa selecionada precisará produzir dois logotipos, nomes das marcas e folders dos produtos, além de um manual de identidade visual contemplando diferentes aplicações da marca. A lista completa dos serviços exigidos também pode ser acessada no TDR. As propostas enviadas ainda precisam conter o valor total para a realização das atividades, considerando impostos e encargos necessários.

Sobre o Cidades Florestais

Iniciado em 2018, o Cidades Florestais  tem como propósito  promover a economia florestal de municípios do interior do Amazonas, por meio do fomento a cadeias produtivas florestais, madeireiras e de óleos vegetais, além de comunidades e famílias ribeirinhas.

As ações do projeto são desenvolvidas pelo Idesam, com apoio do Fundo Amazônia/BNDES, atendendo 12 organizações sociais dos municípios de Apuí, Carauari, Itapiranga, São Sebastião do Uatumã, Silves, Lábrea e Boa Vista do Ramos.

Entre as principais atividades do projeto estão a implantação de plataforma digital e aplicativo de apoio à gestão da produção comunitária; a elaboração de Planos de Manejo Florestal  e assistência técnica até a comercialização da produção; implementação de novos equipamentos e maquinários para a atividade florestal; e instalação da Rede de Óleos da Amazônia, prevendo a construção de duas novas mini usinas de extração de óleos vegetais e apoio estrutural e gerencial a outras três usinas já existentes.

Posts relacionados

Deixe um comentário